Uma senha sera enviada para seu e-mail

A coluna 10 opiniões é a forma de você rapidamente se inteirar sobre os principais assuntos da semana na NFL. Postada toda quarta-feira com Henrique Bulio, inclusive durante a temporada regular da NFL e uma forma de você rapidamente ficar informado!



1.Falando de quarterback, os Panthers estão perto de renovar o contrato de Daryl Williams. É mais um exemplo de como o ataque em volta de Cam Newton é mal pensado.

Faça um exercício rápido de cabeça: quantos bons recebedores você consegue lembrar que fizeram parte do elenco de Carolina desde que Newton se tornou parte da equipe? Steve Smith Sr. e, forçando um pouco mais, Kelvin Benjamin.

E não para por aí. Matt Kalil, que é no máximo um left mediano, está preso a organização até pelo menos 2020 por conta de seus 31 milhões garantidos num contrato assinado no ano passado. Daryl Williams, um right também mediano ao máximo, projeta-se para receber um contrato na média dos 10 milhões anuais. O melhor membro da linha ofensiva na última temporada, Andrew Norwell, não renovou com a equipe por conta de… salário. Os Panthers precisam melhorar a forma com a qual utilizam seus recursos se querem dar a Newton um time capaz de brigar na NFC.

2. Os Ravens estão tentando encontrar métodos de utilizar Lamar Jackson. Eu tenho uma sugestão: como o quarterback titular.

O que nós esperaríamos de Flacco a esse ponto que representaria uma surpresa positiva? Desde sua temporada pós-Super Bowl, seu desempenho só foi satisfatório em 2014, ano em que os Ravens tiveram uma derrota bastante dolorida contra os Patriots na rodada Divisional da AFC. Baltimore não tem um dos melhores times da NFL, mas seus resultados tampouco foram potencializados por um passador de qualidade.

Existem falhas em Jackson como quarterback, é claro. Ademais, ele é só um calouro, e o elenco de Baltimore não está moldado para o futuro. Contudo, pensando no que Flacco (provavelmente) apresentará ao tomarmos como base seus últimos anos, por que não dar a chance de Lamar potencializar a unidade?

3. Estamos chegando no ponto em que a diferença de importância dentre left e right é quase nula.

O fato do quarterback não conseguir ver seu lado cego já foi muito mais importante; hoje, é comum que os times utilizem seus principais pass rushers do lado direito da linha, aonde defrontam diretamente o right. Os protetores do lado direito (ou esquerdo, se o passador for canhoto) nunca serão mais importantes, mas a necessidade é praticamente semelhante em ambos os lados da linha.

4. Foi importante para os Cowboys segurarem Zack Martin e ele vale cada centavo dos 84 milhões de dólares previstos no novo contrato. Martin é peça fundamental na montagem da linha ofensiva de Dallas: mais perto do tradicional old school mauler, abrindo espaços para a corrida ganhando de seus adversários na pura força, além de ser um excepcional protetor em jogadas de passe. Martin é agora o guard mais bem pago da história da NFL e com total justiça.

5. Outra boa decisão em termos de extensão de contrato foi a do Cleveland Browns, segurando Duke Johnson por mais três anos. Um dos meus jogadores favoritos na liga, Johnson é o único running back com pelo menos 500 jardas recebidas em cada uma das últimas três temporadas – além de ser muito bom correndo dentre os tackles. Ele é um excelente complemento para o recém-draftado Nick Chubb (que deve assumir o posto de titular).

6. Se lembra do cornerback William Jackson III? Pois é, ele vai brilhar em 2018. Muito provavelmente Jackson passou batido por você desde que foi escolhido pelos Bengals no Draft de 2016: sua temporada de calouro foi inteiramente perdida por uma lesão no peito e em 2017 o ano ruim de Cincinnati ofuscou as excelentes atuações do jogador.

No sistema de cobertura em zona que a equipe utilizava, sua consistência chamou a atenção ao longo de todo o ano: ainda que lhe seja creditada a titularidade em apenas cinco partidas, ele viu muito mais tempo em campo do que Adam Jones, que era quem iniciava as partidas em campo.

7. Quanto mais eu estudo, mais certeza eu tenho de que Rob Gronkowski já é de muito longe o melhor tight end da história da liga. É praticamente impossível Gronkowski por vários e vários fatores – o mais notório sendo sua dominância física sobre qualquer defensor -, e até mesmo os seletos ex-jogadores da posição que são membros do Hall da Fama assumem que nunca houve um jogador tão dominante quanto o dos Patriots.

Gronkowski é um excelente bloqueador e não recebe quase nenhuma atenção por isso, tamanha sua influência no jogo aéreo. Quando se assiste Gronk em campo, percebe-se que ele representa um mismatch total para a defesa: safeties não são fortes o suficiente para marcá-lo, assim como linebackers não possuem a velocidade suficiente para acompanhá-lo nas rotas. Mesmo com a bola nas mãos, ele é muito forte e dificílimo de ser derrubado. Não é impossível acreditar que New England realmente tentou trocá-lo por conta do modus operandi da organização; no entanto, eles estariam trocando o melhor jogador da história da posição.

Leia mais:   10 Opiniões: Seahawks no wild card e o efeito dominó da lesão de Fournette

Leia também: 
Andrew Luck volta a lançar a bola e pode estar pronto para a pré-temporada
Com EUA sede da Copa de 2026, veja quais estádios da NFL podem estar no torneio
(Não) Troca de Gronkowski : Patriots teriam tentado negociação três dias antes do Draft

8. Eu sei que a necessidade apareceu, mas a ideia dos Chargers se reunirem com Antonio Gates é ruim. Com a ruptura do ligamento cruzado anterior de Hunter Henry há algumas semanas, o time de Los Angeles se viu forçado a buscar um novo tight end para 2018. Naturalmente, uma reunião com Antonio Gates parecia ser a melhor ideia: ele passou os últimos 15 anos como membro da organização; esses 15 anos são justamente o problema: com 38 anos de idade, Gates está bastante abaixo de seu auge físico e não seria nem de perto tão útil quanto os Chargers precisariam se quiserem cumprir todo o potencial do time em 2018. O melhor tight end remanescente no mercado é Coby Fleener, dispensado pelos Saints no mês passado e que seria uma adição interessante para um desafiante ao título num contrato de baixa duração.

9. Mesmo com a vitória acachapante na primeira rodada, eu ainda acho que a Rússia não vai passar da fase de grupos. Se estamos sendo sinceros aqui, a Arábia Saudita é o bônus do Grupo A – todos os três times vão ganhar dela. Uruguai, que é o time mais forte, deve passar limpo pela primeira fase. Ver o Egito batendo a Rússia e garantindo a segunda vaga é que não seria surpresa alguma: o time africano é bom e vai muito além de seu principal craque Mohamed Salah; já os anfitriões tiveram uma preparação com exibições bastante inconsistentes. Eu acho que o Egito baterá a Rússia no confronto direto e isso lhes dará a vaga remanescente na primeira chave da Copa.


10. A possibilidade de Brasil vs Alemanha nas oitavas é muito real, fique alerto. Isso aconteceria se um dos dois países, favoritos nos grupos E e F, respectivamente, terminasse na segunda colocação – o outro obviamente teria de confirmar o favoritismo.

O grupo brasileiro é até complicado, mas a atual fase da seleção nacional não dará qualquer margem para uma surpresa – fique atento a Servia roubando a segunda vaga da Suíça. O grupo F é quem mais preocupa: o México costuma dar bastante trabalho aos selecionados considerados favoritos e pode-se dizer que a Alemanha, embora uma equipe forte e atual campeã, está abaixo do que vimos em 2014. A Espanha nos mostrou na última edição que nenhum favoritismo pré-fase de grupos importa em campo e a Mannschaft tem de saber disso.

PS: Com a chegada da Copa do Mundo, o item de College Football entra em pausa por um mês nesta coluna.

🔒Exclusivo de nossos assinantes:
ProClub: Como os times estão moldando suas linhas defensivas para 2018
História, 1982: Um kicker eleito MVP e a maior greve da história da NFL
10 jogadores e treinadores que têm mais a provar em 2018
História: O que aconteceu com os estádios de futebol americano usados na Copa do Mundo de 1994?

Comentários? Feedback? Siga-me no twitter em @Henrique_Bulio – e ainda, nosso site em @profootballbr e curta-nos no Facebook.