Numbers

The Numbers: 10 estatísticas que contam a história da Semana 9 da NFL

“RODAPE"

Como quem me acompanha há mais tempo sabe, gosto muito de estatísticas para argumentar em meus textos ou para contar uma dada história numa transmissão da NFL pela TV. Aparte de qualquer observação a olho nu – que também é importante – a estatística é bacana porque é um recurso objetivo. Para mim ou para você, fulano correu para mais de 100 jardas: isto, em específico, não tem discussão.

Claro: estatísticas jogadas ao vento não servem de nada se forem para encher linguiça. Há de haver um contexto e sempre me preocupo em dizer o que isso significa. Falar que um quarterback lançou para mais de 400 jardas é pouco. É jogar número pro alto. Agora, dizer que esse é um feito raro e qualquer jogador com mais de 400 jardas é um cara com uma partida acima da média – isso é contextualizar.

O mesmo vale para as famosas “jardas por carregada” de um running back. Se eu falar que fulano correu 3,3 jardas por carregada, isso é bom? Ruim? É preciso qualificar. No caso, qualquer coisa entre 3,5 e 4 é bom. Acima de 4 é ótimo e acima de 5 é excelente.

Gosto de estatísticas como recurso porque elas contam histórias e nos ajudam a entender o que está acontecendo com as equipes. Então, semanalmente, vamos com esta coluna aqui em ProFootball. Confira abaixo x stats que separei sobre a Semana 9.

Mais um prego no caixão do Romo?

Tudo bem, era o Cleveland Browns do outro lado. Mas é justamente contra adversários fracos que você não pode deixar dúvidas em campo. No domingo, Dak Prescott esteve longe de deixar qualquer dúvida sobre sua capacidade de avançar com o jogo aéreo. Foram 21 passes completos de 27 tentados (o que dá 77,8%) para três touchdowns e 247 jardas na vitória por 35-10 contra os Browns fora de casa. Sim, você deve estar sentindo falta daquela parte do texto na qual falo “foi a primeira vez que um calouro fez isso desde mil novecentos e guaraná de rolha”. Calma, lá vem essa parte.

Dak Prescott é o primeiro calouro na história da NFL a ter seis jogos com mais de 100.0 de rating considerando a primeira metade de sua temporada (8 primeiros jogos, os quais Dallas completou na Semana 9 por já ter folgado). Mas espere, vai ter bolo: Prescott é o primeiro calouro na era do Super Bowl (1966 – presente) a vencer sete dos oito primeiros jogos de um time na temporada. Tony, precisamos conversar. O problema não é você. Sou eu. Acho que precisamos conhecer novas pessoas. Ou novos calouros, você entendeu.

LEIA TAMBÉM  O Green Bay Packers tem time para vencer de todo mundo?

Drew Brees continua en fuego

quarterback do New Orleans Saints, Drew Brees, passou para 323 jardas e três touchdowns na vitória por 41-23 contra San Francisco. Brees tem 55 jogos em sua carreira com pelo menos 300 jardas aéreas e três passes para touchdown – ninguém tem mais. Ah, sim: ele não lançou nenhuma interceptação no último domingo.

Assim, mais uma marca foi estabelecida: é o primeiro quarterback da história da NFL a chegar na marca de 30 jogos com pelo menos 300 jardas passadas, três touchdowns aéreos e nenhuma interceptação.

Mike Wallace vive!

Para quem achava que a carreira de Mike Wallace pós-Steelers era um prelúdio da aposentadoria, o último domingo mostrou que ele continua veloz. Ah, e que a Lei do Ex não falha. Agora recebedor do Baltimore Ravens e jogando contra o Pittsburgh Steelers, Wallace teve quatro recepções para 124 jardas – incluindo uma para 95 jardas – na vitória por 21 a 14 contra os Steelers.

O feito realmente foi raro: apenas dois outros jogadores além de Wallace tem mais de duas recepções para touchdown e pelo menos 95 jardas na carreira (John Taylor e Gus Tinsley). De toda forma, Wallace é o primeiro a ter o feito com dois times diferentes. Justamente rivais.

E o jogo terrestre dos Colts respira um pouco

O Indianapolis Colts foi à frozen tundra de Green Bay e venceu os Packers no Lambeau Field pela primeira vez desde 1988 – quando este que vos fala nem era nascido. Rivalidade da NFL na década de 1960, Packers e Colts tomaram caminhos distintos quando da fusão da liga em 1970: os Colts foram para a Conferência Americana e devido ao rodízio entre divisões, só enfrenta Green Bay uma vez a cada 4 anos.

A vitória foi zebra por 7 pontos em Las Vegas e embolou a NFC North de vez. A defesa de Indianapolis e Andrew Luck tem uma parcela de mérito, mas não podemos esquecer de Frank Gore. O running back dos Colts correu para 60 jardas com dois touchdowns e adicionou duas recepções na vitória por 31 a 26 em Green Bay. Gore, que tem 12.632 jardas terrestres e 400 recepções, é o quinto jogador da história a bater 12 mil jardas terrestres e pelo menos 400 recepções.

O que quer dizer que, bem, ele consegue carregar um piano ofensivo. E que tais estatísticas podem lhe credenciar muito bem para o Hall da Fama do Futebol Americano Profissional (Pro Football Hall of Fame). Sabe quem são os únicos outros running backs a alcançarem tal feito? Curtis Martin, Walter Payton, Emmitt Smitth e LaDainian Tomlinson. Sim, é uma bela companhia.

LEIA TAMBÉM  Bell carrega Steelers para sua 16ª final de Conferência

Falando em Tomlinson

Melvin Gordon não teve nenhum touchdown terrestre no ano passado – opa, ele está compensando legal neste ano. Ele teve 261 jardas de scrimmage (recebidas e corridas) na partida do domingo contra o Tennessee Titans, na qual o San Diego Chargers venceu por 43 a 35. Foi a melhor atuação total de um back dos Chargers desde LaDainian Tomlinson em 2002.

Especificamente em jardas terrestres, foram 32 corridas para 196 jardas. Igualmente melhor marca de um running back de San Diego desde Tomlinson contra os Raiders em 2007. Não por acaso demos o prêmio de melhor jogador ofensivo (não quarterback) da semana para Gordon.

E que tal Matt Stafford?

Se o Detroit Lions conseguiu bagunçar de vez a NFC North na vitória por 22 a 16 contra o Minnesota Vikings, muito se deve à capacidade de Matt Stafford de encontrar comebacks em jogos que pareciam perdidos. Os Lions viraram partidas no último quarto em 4 das 5 vitórias que o time possui nesta temporada.

As atuações de Stafford neste ano estão fazendo o torcedor dos Lions esquecer de Calvin Johnson, aposentado na última intertemporada. Inclusive, profetizamos por diversas vezes que Matt seria um quarterback melhor sem o botão de pânico “joga a bola pro alto que o Megatron pega”. Sai Johnson, entra Tate: no domingo, Stafford teve 11 passes completos de 12 tentados quando conectando com Golden Tate.

Minnesota começa processo de implosão: que tal lembrar de outros? 

Quem diria, os Vikings foram o último time invicto da NFL em 2016 – e agora muitos apontam que a equipe pode até perder uma divisão que parecia completamente ganha. 11 times já passaram por momentos semelhantes, segundo o ELIAS Sports Bureau.


Ou seja: vencer os cinco primeiros jogos (ou mais) e depois perder três jogos consecutivos ao menos. Dos 11, 6 vieram nas últimas 8 temporadas. 2016 Vikings (5-0, perdeu 3), 2009 Saints (13-0, perdeu 3), 2009 Broncos (6-0, perdeu 4), 2009 Giants (5-0, perdeu 4), 2013 Chiefs (9-0, perdeu 3), e 2015 Packers (6-0, perdeu 3).

As causas podem ser muitas para esse momento de Minnesota, mas o ataque ter pifado completamente parece ser a principal. Ao início, a lesão de Adrian Peterson pareceu não ser tão importante para os rumos do time, dado que Sam Bradford estava jogando como nunca. O problema é que o ataque terrestre não funciona e Bradford vem sendo forçado a passar múltiplas vezes por jogo – ele tem 2 vitórias e 21 derrotas na carreira quando passa em mais de 40 tentativas num jogo. A linha ofensiva está desfalcada e os Vikings acabaram de perder seu coordenador ofensivo, Norv Turner, que pediu demissão.

Pittsburgh em um jogo para esquecer

Ben Roethlisberger voltou de cirurgia para reparar o menisco mas os Steelers nem de perto tiveram atuação ofensiva que estavam acostumados a ter ao início da temporada. A equipe falhou em marcar pontos pelos três primeiros quartos pela primeira vez desde a Semana 12 de 2007 – a qual você deve se lembrar pelo placar magro na vitória de 3 a 0 contra os Dolphins no Monday Night Football.

Os Steelers foram para o punt em 7 oportunidades no primeiro tempo, pior marca da franquia desde 1986. E, sim, existe uma estatística para jogos nos quais Ben Roethlisberger volta de lesão. Ele está com duas vitórias e seis derrotas nesses jogos, com 10 touchdowns e 11 interceptações.

A defesa dos 49ers é uma mãe

Sim, já falamos acima de Drew Brees, mas méritos também para o jogo terrestre de New Orleans. Ou demérito da defesa de San Francisco, indiscutivelmente a pior da NFL na marcação contra os running backs adversários. Os oponentes correm como querem e quando querem. Duvida?

A partida de domingo marcou a sétima consecutiva na qual a defesa de San Francisco cedeu 100 jardas terrestres a um único running back. E a gente tá na metade da temporada. Isso é além do absurdo. Nas últimas três partidas, a unidade defensiva dos 49ers cedeu um total de 810 jardas terrestres. Isso dá uma média de 270 por jogo. Não tem como vencer assim.

E os Raiders são líderes na AFC West

Sim, a profecia de 10 entre 10 analistas de futebol americano na offseason se concretizou. Ao menos na metade da temporada. O Oakland Raiders venceu o Denver Broncos em casa no Sunday Night Football e tomou a dianteira isolada da AFC West após a Semana 9. Os Raiders não estavam líderes isolados de divisão desde a Semana 12 de 2011, quando tinham campanha de 7-4. Aí veio aquele furacão Tim Tebow a ascendente defesa dos Broncos e venceu a divisão.

A partida mostrou que em 2016, a unidade defensiva de Denver pode ter problemas contra o jogo terrestre. Latavius Murray teve mais de 100 jardas e três touchdowns contra os Broncos num jogo que o torcedor de Oakland dificilmente vai esquecer tão cedo.

Comentários? Feedback? Siga-me no twitter em @CurtiAntony, ou nosso site em @profootballbr e curta-nos no Facebook.

The Numbers: 10 estatísticas que contam a história da Semana 9 da NFL
Topo