Uma senha sera enviada para seu e-mail

Sem sombra de dúvidas, Blake Bortles tem sido o assunto quente da semana. Depois de Allen Robinson ter dado um mini-chilique pedindo para que Bortles “mantivesse a P%%%% da bola dentro de campo”1, e com Doug Marrone dizendo que a vaga de titular está “disponível”, todos nós estamos nos questionando: afinal, qual o problema de Blake Bortles?


“3camisetas"

Não é novidade para ninguém que Bortles teve uma regressão abissal na sua mecânica em 2016. O camisa 5 levava a bola abaixo da linha da cintura antes de fazer o release, fazendo um círculo completo antes de soltá-la. Todo esse movimento dá um tempo gigantesco para a defesa agir; sejam os pass rushers ganhando tempo para alcançá-lo no backfield, sejam os defensive backs olhando o passe e tendo tempo de reagir.

Para exemplificar, um passe escolhido aleatoriamente da temporada de 2016:

 


Tudo bem, isso foi em 2016. Na noite de ontem, o que mudou? O que Blake Bortles fez de diferente, depois de tantos relatos de que ele estava “trabalhando na sua mecânica”?

Bom, vamos ao primeiro lançamento:

Reparem como o movimento pré-release está encurtado. Ao invés de levar a bola lá embaixo, forçando o cotovelo e potencialmente causando problemas físicos, Bortles segura a bola mais na altura do peito e faz um movimento mais rápido. Ponto para o camisa 5.

Ainda assim, o release é duro. Como o passe é rápido, o ideal é que a bola chegue muito rápido ao recebedor, sem dar uma janela para o defensive back interferir na conexão. Assim, Bortles imprime força de forma que prejudica o release. A bola chega em Allen Robinson, mas reparem como ela chega até o camisa 15.

Vamos para o meu passe favorito da noite da terceira escolha geral de 2014:

Boa movimentação no pocket, quando vê a pressão do lado direito faz o step up e solta o passe sem o esforço que lhe é peculiar. O braço vai mais baixo – normal, o passe é longo – mas o timing do release é certo, a bola sai com a espiral correta. O trabalho do defensive back na marcação de Allen Robinson é excelente e a não vemos uma big play, mas esse passe é o tipo de jogada que mantém as esperanças no quarterback.

Leia mais sobre os Jaguars no ProFootball:
Necessidades no Draft 2017: Vamos nos empolgar com os Jaguars de novo ou falta QB?
Depois de jogo pífio de Bortles, Técnico dos Jaguars não lhe garante titularidade

Claro, nem tudo são rosas. Em outro passe longo, Bortles reincide nos mesmos erros de sempre:

 

O trabalho corporal é péssimo. Blake Bortles tenta dar aquele toque na bola, fazendo um balão para Allen Robinson – completamente livre. O movimento do braço não é fluido, o corpo não gira da forma que deveria girar e o passe sai uma tremenda porcaria. Ao tentar dar o toque na bola, Bortles simplesmente esquece as virtudes da mecânica que renderam um passe tão bem colocado algumas descidas antes.

Há quem pergunte se falta força no braço, ou se a mecânica é simplesmente errática. Pois bem, um contribui para o outro. Se a mecânica não é fluida, se o movimento corporal não está em sincronia com o release, se o pé de apoio e os quadris não estão apontados para a direção do passe, não adianta: o passe será impreciso, ou faltará jardas para encontrar o alvo – para mais ou para menos.



Tantos quarterbacks confiam na força do braço que esquecem que há fatores que levam a um passe perfeitamente colocado – e elas não são necessariamente ter um bíceps gigantesco. Volta e meia vemos Cam Newton lançando do backfoot; Deshaun Watson, para citar outro, tem um trabalho de pés bastante porco, se me permitem a palavra.

No final das contas, a mecânica de Blake Bortles é o fiel da balança.

No final da contas, a mecânica de Blake Bortles é o fiel da balança. Ela é errática, e ao mesmo tempo que vemos sinais de correção, vemos erros básicos e antigos reincidindo. A imprecisão vem dessa rigidez no lançamento da bola, uma bandeira gigantesca para uma NFL que exige tanto que seus quarterbacks passem a bola 20, 30, 40 vezes por partida. Se Bortles não acha consistência nessa atividade, como há condições dele ser o franchise quarterback que a franquia tanto sonha desde os tempos de Blaine Gabbert?

Bortles entra na sua quarta temporada como quarterback do Jacksonville Jaguars, e infelizmente não há qualquer confiança na sua consistência, na sua capacidade de, descida após descida, entregar a bola de uma forma regular, sem picos de erros que fazem qualquer fã ou analista se questionarem sobre como ele ainda está na liga.

Já pensou um Curso com 7 aulas sobre Futebol Americano? Nós já! Confira mais sobre o Curso de Futebol Americano do ProFootball.

A corda está no pescoço de Blake Bortles – e isso certamente não ajuda o jogador. As dificuldades mentais certamente contribuem para a inconsistência descida após descida, mas não adianta. A NFL é para poucos, e você precisa viver pelo mantra de Bill Belichick: do your job. Caso contrário, outros farão por você. E é justamente esse o destino para o qual Blake Bortles parece caminhar.

Comentários? Feedback? Siga-nos no twitter em @profootballbr e curta-nos no Facebook.

“RODAPE"

  1.  Allen Robinson after Blake Bortles pass: “F***ing keep that s**t in bounds, bro!”. DAY, Ryan. Big Cat Country. Acesso em 18/08/2017  https://www.bigcatcountry.com/2017/8/15/16151242/allen-robinson-frustrated-blake-bortles-pass-f-ing-keep-that-s-t-in-bounds-bro