Uma senha sera enviada para seu e-mail

O cotidiano nos faz perder a percepção de belos momentos, isso é fato. Não notamos que na frente dos nossos olhos acontecem fatos históricos, coisas simples do dia a dia são feitas automaticamente e pessoas que gostamos não tem o devido valor devido a correria do dia-a-dia.

Só entendemos ou damos valor muito tempo depois, e ficamos com aquele amargo na boca de quem poderia ter aproveitado melhor o momento.

No futebol americano não é diferente. Muitas vezes a história está acontecendo e não percebemos, preferindo sempre estar atrás da novidade, do próximo lance, etc. Mas quando algo ou alguém que gostamos muito sai de cena, sentimos.

Tive essa experiência pouco mais de três anos atrás, quando Peyton Manning se aposentou. Claro que era a hora e ele deixar a carreira logo após vencer um Super Bowl pelo meu time do coração foi muito legal. Mas eu era tão acostumado a vê-lo todo domingo, seja por Colts ou Broncos, que no primeiro ano foi como se tivesse perdido um amigo. Faltava alguém de voz esganiçada gritando “Omaha”, gesticulando como um louco na linha de e queimando defesas domingo após domingo. Faltava um Manning x Brady, toda rivalidade e discussão de quem era melhor.

Neste domingo, pela semana 9 da NFL, teremos New England Patriots x Green Bay Packers. Mais que isso, teremos Tom Brady contra Aaron Rodgers. O segundo e talvez o último. Brady se aproxima do fim da carreira, com já 41 anos e os times jogam em conferências diferentes, o que diminui o número de confrontos.

Pois bem, sabem os momentos que deixamos passar sem notar? Não deixe nesse domingo. Tratam-se de dois que estão no topo da posição em todos os tempos (não vou ranquear, pois acho muito subjetivo) e são sensacionais. Muitas vezes esquecemos disso, pensando em jogadores muito menos relevantes. Neste domingo a noite meu conselho é: apenas relaxe e aprecie sem moderação.

Pra situar melhor de como são dois jogadores sensacionais, separei algumas jogadas desta temporada para mostrar na análise tática habitual.

Uma coisa que torna os dois tão mágicos é a capacidade que ambos tem de manipular o oponente. O futebol americano nada mais que um grande jogo de enganação:eu faço você acreditar que vou fazer X e na hora faço Y, facilitando minha vida e complicando a sua. E o mais importante, Brady e Rodgers fazem essa manipulação e sua leitura com extrema velocidade e simplicidade.

Um pouco da maestria de Aaron Rodgers

Começamos com Rodgers, enfrentando os Redskins. Os Packers estão numa formação empty (sem ninguém no junto de Rodgers). São dois em cada lado, com o também na direita.

Os Redskins mostram um 4, com os dois preocupados com o fundo do campo nas laterais e os com o meio, além de cuidarem do espaço mais curto nas costas dos (a zone). Green Bay roda um conceito espelhado de rotas, com as duplas de de ambos os lados executando as mesmas rotas.

Logo que a jogada começa, Rodgers olha para o da direita, que corre uma rota; o entende ter identificado o conceito com o recebedor mais aberto correndo uma rota e com isso avança para zone.

Com isso, ele seria efetivo contra a e ainda poderia ajudar contra a. O problema é que Rodgers apenas o fez morder a isca e em vez de uma, Geronimo Allison está correndo uma sluggo. Essa rota começa como uma e se transforma numa, em direção ao fundo do campo.



“STEELERS"
Rodgers nem pensa duas vezes, mandando a bola para um longo. Parece fácil? Peça para Case Keenum executar e verá que não é não.

Brady também faz parecer simples. Essa é a virtude dos grandes gênios.

Já na contra os Colts, o time coloca três recebedores na direita e apenas uma na esquerda, com o James White no também a esquerda de seu.

Os Colts estão defendendo em zona e mandam apenas quatro homens atrás de Brady. A grande isca desse conceito está proximidade de rotas de Edelman (slot) e Gronkowski (tight end). Edelman faz a parada de sua rota muito próximo a Gronk, que segue para end. Isso é o suficiente para todos se moverem para direita.

Brady sabia disso desde antes do e está claro que ele não quer lançar a bola ali. Quando ele vira o corpo para esquerda já sabe que James White está livre numa rota angle em cima da linha de uma jarda, num passe que vira .

Outro ponto em que ambos são sensacionais é em colocar a bola em um ponto que somente seu recebedor possa pegar, mesmo contra coberturas boas.

Contra os Texans, logo na primeira semana, os Patriots estão na linha de 21 do campo de ataque e se alinham com dois recebedores abertos em cada lado (formação twins) e o James White novamente a esquerda de Brady no.

O detalhe é que o mais aberto na esquerda é o Rob Gronkowski, numa clara tentativa de criar um matchup favorável aos Patriots. O Zach Cunningham é quem alinha em sua marcação e com certeza Brady identifica essa vantagem.

Leia mais:   🔒 Análise Tática: Não olhe agora, mas Mitchell Trubisky está evoluindo



“STEELERS"
Os Texans também estão atentos e logo que Gronk começa a correr uma rota deep, o Kareem Jackson fecha para fazer a dobra. Brady sabe que seu é mais rápido que seu marcador inicial e mais forte que o jogador que veio para fazer a dobra.

Porém, ele também sabe que perdeu a bola no ponto futuro, pois Jackson estará lá. Com muita inteligência, ele lança um back shoulder throw, com a bola ficando atrás de Gronkwoski. Com isso, ele explora a maior velocidade em relação a Cunningham para conseguir o movimento para recepção e a força, já que Gronk usa o corpo para proteger a bola de Jackson.

É um passe de alta complexidade, pois exige um tempo muito preciso; quando o recebedor se vira a bola tem que estar chegando. É exatamente isso que acontece, com a bola entre os números de Gronkowski, que ainda cai na end para mais um . Simplesmente sublime.

Por outro ângulo, para melhor visualização do timing e sincronia. Que obra de arte.

Que tal fazer isso com seu time perdendo por sete pontos, dentro dos dois minutos finais? Rodgers mostra como.

Contra os 49ers, os Packers precisam tirar a diferença de um e estão numa terceira para seis jardas na linha de 16 do campo de ataque e já dentro do two minute warning. O time esta numa formação twins, com o no lado direito do. San Francisco mostra, colocando sete homens na na linha, mas mandando apenas cinco para criar pressão pela direita de Rodgers.

Isso objetiva fazer o a se mover para o lado oposto e lançar contra seu movimento natural do corpo. Pena para os 49ers é quando se enfrenta alguém do calibre do camisa 12 de Green Bay isso é muito pouco.

Ele percebe rapidamente que o da esquerda morde a rota do Marques Valdez-Scantling, deixando o Davante Adams mano a mano na lateral contra o Greg Mabin, que está preocupado com a end.

Um movimento fingindo parar na linha de first down dá miníma separação para o recebedor e é suficiente; lançando ainda se movendo e sem a base adequada, Rodgers manda uma bola perfeita encobrindo o para . Precisão cirúrgica para empatar o jogo e manter seu time vivo.

No detalhe, como ele não chega em nenhum momento a plantar os pés, o que torna muito mais complexo ter precisão.

Eu poderia separar aqui mais 1000 jogadas de cada um deles. Seria tão fácil e prazeroso escrever sobre ambos, sua inteligência e capacidade técnica. Sobre como são vencedores e fabulosos toda semana na NFL. Prefiro deixar apenas uma amostra. Aproveitemos o momento: dois dos maiores de todos os tempos se enfrentam neste domingo. É novamente a história sendo escrito em nossa frente: aprecie o momento, pois sentirá falta depois.

Gostou da análise tática? Toda semana nossos assinantes têm uma exclusiva. 

🔒 Análise Tática – O simples e criativo ataque do New England Patriots
🔒 Análise tática: A histórica rodada dos novatos
🔒 Análise tática: Josh Allen de volta a realidade contra os Packers
🔒 Análise tática: A versatilidade de Saquon Barkley foi fundamental para a vitória dos Giants

Comentários? Feedback? Siga-me no Twitter em @deivischiodini, ou nosso site em @profootballbr e curta-nos no Facebook.




Exclusivo de nossos assinantes – assine agora com essa oferta de 30% de desconto

🔒 Vitória dos 49ers mostra abismo tático entre Jon Gruden e Kyle Shanahan
🔒 Podcast ProClub: Como a esperança terminou em pesadelo para Raiders e 49ers
🔒 O que mudou para Fantasy Football com as trocas desta terça na NFL
🔒 Fantasy: Nomes para você pegar no waiver antes da Semana 9
🔒 Aaron Donald e Sean McVay: os líderes do invicto Los Angeles Rams

🔒 Renascimento do ataque terrestre coloca Seattle de volta na briga pelos
🔒 Chiefs vencem e expõem ainda mais as fragilidades da comissão técnica dos Broncos
🔒 Mesmo longe dos EUA, Wentz permanece como um dos melhores da America