Uma senha sera enviada para seu e-mail

Que comece a insanidade! O primeiro dos Bowls de Ano Novo (New Year’s Six) traz a melhor equipe do Group of Five contra uma das semifinalistas da temporada passada – uma ótima entrada antes do prato principal: as semifinais nacionais que virão logo em seguida.

📝 O que? #18 Houston Cougars vs. #9 Florida State Seminoles
🌎 Onde? Georgia Dome – Atlanta, GA
🕛 Quando? 15h00 (horário de Brasília)
📺 Onde assistir?  ESPN+ | Watch ESPN

Cenário

Equipe que opera um sistema run-heavy, conta com um quarterbak atlético e dual-threat que sofreu uma lesão na reta final da temporada mas que, graças ao seu bom controle de posição de campo, finalização de drives e perfil agressivo na defesa, conseguiu conquistar o título da sua conferência e chegou à Bowl Season com record 12-1. Não estamos falando de Ohio State de 2014, mas sim de Houston de 2015. Qual a semelhança? O head coach dos Cougars, Tom Herman, foi o coordenador ofensivo do título nacional dos Buckeyes na temporada passada e agora conseguiu transformar seu novo programa na maior força do Group of Five – o que, como você deve saber, garante uma vaga automática em um dos Bowls de Ano Novo, seis jogos mais prestigiosos da pós-temporada. Mas a vitória mais importante dos Cougars veio fora de campo, conseguindo um novo contrato com Herman – que era um dos principais candidatos para assumir algum emprego no Power Five.

Florida State, por outro lado, passou por um desmanche na offseason: 11 jogadores foram selecionados no Draft de 2015 – incluindo Jameis Winston – e apenas 10 titulares da temporada passada retornaram para Tallahassee. A chegada de Everett Golson (ex-Notre Dame) deu um pouco de alívio, mas por pouco tempo, já que suas performances irregulares acabaram lhe garantindo um lugar no banco. Entretanto, com um dos melhores running backs e um dos melhores da FBS no elenco e o excelente trabalho do head coach Jimbo Fisher, a equipe conseguiu 10 vitórias na temporada (as derrotas vieram para Georgia Tech – numa jogada super esquisita ao final da partida – e para Clemson, semifinalista desta temporada).

Veja também: Editorial – A Bowl Season como você nunca viu

Por que Houston pode vencer

O principal beneficiado com a chegada de Herman foi o quarterback Greg Ward Jr., que conseguiu números impressionantes nesta temporada: pelo ar, 67,8% de aproveitamento em passes, acumulando 2.589 jardas, 16 touchdowns e cinco interceptações; por terra, mais 1.047 jardas e 19 touchdowns. A única derrota dos Cougars veio justamente quando ele esteve lesionado – é também a única explicação para que a equipe, que vencera Louisville e Vanderbilt, perdesse para a fraca UConn.

Ward é capaz de gerar big plays, além de ser um tremendo de um playmaker – seu quick release é importante contra defesas de alto nível como a que enfrentará logo mais. Na defesa, unidade comandada pelo coordenador Todd Orlando, o destaque é a quantidade de turnovers gerados (30, segunda maior marca da FBS): se jogarem como estão acostumados, podem conseguir algumas posses extras explorando o ataque dos Seminoles que, à exceção de Dalvin Cook, é um tanto quanto inconsistente.

Veja também: Dança das Cadeiras – Todas as mudanças de técnicos no college

Por que Florida State pode vencer

Golson não estará em campo – ele sequer viajou para Atlanta – mas, sinceramente, não fará falta: se compararmos os rosters dos Seminoles e dos Cougars, veremos que FSU é melhor em todas as outras posições, a começar pelo jogo corrido. Cook é um dos grandes destaques desta temporada e, problemas da offseason à parte (disciplina não é algo muito valorizado em Tallahassee, lembra?), teve um ótimo ano e com certeza será o melhor jogador em campo no Georgia Dome.

Outro destaque é a defesa, uma das melhores da FBS contra ataques explosivos (caso de Houston). A unidade tem velocidade suficiente para conter Ward e também deve se destacar na linha de scrimmage: jogadores como os defensive linemen DeMarcus WalkerNile Lawrence-StampleDerrick Nnadi serão demais para a linha ofensiva relativamente inexperiente de Houston (operando com três calouros). Outro nome que fará a diferença é Jalen Ramsey, jogador a respeito do qual falaremos  em seguida.

Veja também: Como o futebol brasileiro vai te fazer entender a Bowl Season

Jogadores que estarão no próximo Draft

Versatilidade é a palavra-chave quando se trata de Ramsey. Um prospecto de top 10 em 2016, ele pode ser tanto um cornerback quanto um safety na NFL, tendo jogado até mesmo como linebacker em vários snaps por Florida State. Será interessante vê-lo enfrentar o fortíssimo ataque de Houston em sua última chance de adicionar jogadas de impacto ao seu DVD.

Outros jogadores:

  • Nile Lawrence-Stample, DL, Florida State (redshirt senior)
  • Roberto Aguayo, K, Florida State (redshirt junior)
  • William Jackson III, CB, Houston (senior)

O jogo em números

HOUSTON

YPPOFF= 6,0 (31º)

YPPDEF= 5,2 (47º)

SROFF= 44,9% (30º)

SRDEF= 39,7% (54º)

 

FLORIDA ST

YPPOFF= 6,4 (15º)

YPPDEF= 4,6 (11º)

SROFF= 44,1% (37º)

SRDEF= 35,7% (18º)

📈 Entenda as stats aqui  📈

Previsão

Quem não gosta de um underdog, não é mesmo? A trajetória de Houston nesta temporada foi simplesmente incrível e é fácil acabar torcendo pela equipe neste jogo. Com a torcida, vem a parte em que tentamos nos convencer de que os Cougars conseguirão vencer a partida – mas aí é que está o problema: Florida State tem mais talento, mais tamanho e mais experiência do que o time de Tom Herman. Cook provavelmente passará o trator na defesa, enquanto o ataque ficará engessado contra a excelente defesa contra o passe de FSU. Assim, por mais que o ano de Houston tenha sido uma verdadeira história de Cinderela, o Peach Bowl deve ser a meia-noite da temporada.

Probabilidade de vitória: Florida State 53%