Uma senha sera enviada para seu e-mail

Depois da posição de quarterback, a mais valiosa na NFL é…. Aquela capaz de “cortar o mal pela raiz”.

Seja evitando o passe com o sack, apressando a decisão do passador ou dando-lhe um hit pra lhe tirar a sintonia, o pass rusher é o jogador mais bem pago nas defesas da NFL e, quanto ao Draft, costuma ser o mais cobiçado.



Mesmo que o time já tenha talentos na posição, ter bons jogadores nesse setor nunca é demais. EDGE rushers estão recebendo dinheiro que quarterbacks recebiam há 5 anos, pois é na trincheira que o jogo é ganho ou perdido.

O gráfico abaixo ajuda a confirmar a máxima dita por todos.

E como pass rushers de elite raramente testam o mercado na free agency – dado que os times evitam ao máximo perdê-los, usando a franchise tag caso necessário – o Draft costuma ser a porta de entrada para o reforço. E, como o Draft é o caminho para se adquirir pass rushers de elite, como está a qualidade dessa classe?

A pergunta é válida quando lembramos a qualidade da classe de 2017 – ocorre que Myles Garrett & Amigos foi um ponto fora da curva. Indubitavelmente, ela está acima da classe de 2018 em termos de piso de talento. Mas antes de mais nada, vamos aos principais prospectos deste ano.

Bradley Chubb, North Carolina State

O primeiro pass rusher desta classe é claramente Bradley Chubb, de NC State. Se tudo ocorrer como esperado, ele deve sair no top 10 – muito provavelmente para o Indianapolis Colts na sexta escolha geral. Chubb não é um prospecto do nível de Myles Garrett/Joey Bosa. Isso não quer dizer que ele seja ruim! Pelo contrário; é um jogador que tem potencial para se tornar pro bowler.

O que separa Chubb dos outros pass rusherscolocando-o sozinho na “primeira prateleira” nesta classe é como consegue ser efetivo tanto no jogo aéreo quanto no jogo terrestre.

Chubb consegue mudar de direção e utilizar counter moves para bater os offensiveSua explosão e velocidade estressam verticalmente o offensive – o inside move fica aberto e ele se aproveita disso.

Novamente na parte de cima da tela, o produto de North Carolina State demonstra a sua ótima explosão ao sair da posição inicial. usando bem sua envergadura para criar espaço entre ele e o linha. Ao final, termina a jogada com um inside move e o sack.

O que falta para Chubb alcançar um nível de prospecto de Myles Garrett é a sua flexibilidade do quadril, o famoso “bend”, como os olheiros gostam de chamar.

Harold Landry, Boston College Eagles

Harold Landry é mais um pass rusher cotado para a primeira rodada. Landry passou a temporada inteira com uma lesão no tornozelo, o que afetou diretamente o seu jogo – especialmente pelo estilo mais físico em termos de velocidade. A explosão de Landry é a melhor dessa classe:

O problema de Landry é contra o jogo corrido ao sair dos bloqueios. Num primeiro exemplo, um pull do left e Landry (#7) não consegue alavancar o seu espaço da forma correta, deixando uma lacuna para o fullback bloquear o safety. Com isso, há espaço para a corrida exatamente do lado de fora de Harold Landry. O produto de Boston College não conseguiu diagnosticar corretamente a jogada e pagou por isso.

Na jogada abaixo, novamente podemos ver os mesmos erros cometidos por Landry na jogada anterior. Ainda com o detalhe que, quando o fullback o bloqueia, ele mantém a cabeça muito baixa. A consequência é que Harold não tem como olhar para o running back, para diagnosticar qualer que caminho que ele iria tomar. Note que, quando o corredor passa por Landry, ele ainda está focado no bloqueio do fullback.



Em abril, teremos um curso/workshop que tratará sobre tudo o que você precisa saber sobre o Draft da NFL. Veja mais detalhes aqui.

Marcus Davenport, UTSA Roadrunners

Davenport é um jogador que vem de uma universidade menor – cujo calendário/competição é mais fraca. Para compensar e justificá-lo como potencial escolha de primeira rodada, ele possui um ótimo atleticismo – algo que não consegue se ensinar. Contudo, ainda é cru em suas técnicas e o time que draftá-lo terá que ter paciência para desenvolvê-lo, pois ele não deve chegar para conseguir temporada de mais de 10 sacks em 2018.

Abaixo, temos algumas jogadas nos treinos do Senior Bowl em que Davenport foi anulado por prospectos que jogam em divisões mais disputadas ou simplesmente… Melhores jogadores.

Em uma classe mais fraca de pass rushers, mesmo jogadores que possuem problemas disciplinares fora de campo ou que ainda estão crus mas que exibem potencial para crescer devem ser selecionados na primeira rodada. É assim que as coisas são. Para contextualizar: no ano passado, Davenport sequer seria escolha de primeira rodada. Ainda pensando no ano passado, Chubb seria escolhido depois do top 10. Neste ano, com a oferta/demanda que rege o Draft, o cenário é o oposto. Vai vingar? Resta saber.

Felipe Vieira é um dos fundadores do On The Clock, site voltado para a cobertura do Draft da NFL. Em março e abril, ele será colunista do ProFootball. Você pode conferir mais de seu trabalho em seu twitter – e, em abril, ele será um dos palestrantes em nosso 1º Workshop sobre o Draft da NFL clique aqui para mais infos sobre o curso.

Comentários? Feedback? Siga-nos no twitter em @profootballbr e curta-nos no Facebook.

Posts Exclusivos de Nossos Sócios, assine para mais conteúdo!
Andrew Norwell nos Jaguars: segurança para Bortles e espaços para Fournette
Análise Tática: Como a adição de Dion Lewis é essencial na evolução de Mariota
Quarterback: Como está a situação dos 32 times da NFL após a Free Agency
Podcast Sócios: O que acontece no Seattle Seahawks?