Uma senha sera enviada para seu e-mail

O meio de fevereiro costuma ser uma época pouco agitada para a NFL – vide que, mesmo já podendo colocar a franchise tag, as equipes costumam esperar até o final do mês. Já no futebol americano nacional, a quinta-feira foi marcada por novidades.

Conforme antecipou o Blog Touchdown, desde outubro do ano passado as conversas para mudanças já haviam sido iniciadas. Esta ideia já era um desejo antigo da confederação, que se dedicará exclusivamente à fomentação do esporte, além do Brasil Onças (a seleção nacional). Com isso, o campeonato passa a funcionar no sistema de liga, gerido pelos times e não pela CBFA.  Isso daria total autonomia para as conferências organizarem tabelas e formatos de disputa na sua região. Num país com dimensões continentais como o Brasil, realmente é a melhor saída no que tange à logística de um esporte cujo custo operacional é altíssimo no nível amador.

Ainda segundo o Touchdown, no lançamento da Superliga, ano passado o presidente da CBFA, Guto Sousa, já havia afirmado o desejo de fomentar a criação de uma liga independente, para que os clubes pudesse se auto-gerir, citando, inclusive, exemplos bem sucedidos como a NFL, NBA e até o Novo Basquete Brasil (NBB).

Publicidade




Novo nome segue exemplo de outras ligas internacionais

O nome “BFL – Brazilian Football League” foi escolhido de maneira a espelhar o que outras ligas no mundo – notoriamente Canadá, Alemanha e etc – fazem: um nome que lembre a maior liga de futebol americano do mundo, a NFL.  Como a ideia de liga será adotada, após cobrir as despesas do campeonato, como arbitragem, transporte e etc, todos os valores destinados aos clubes seriam divididos igualmente.

No que se refere ao formato de disputas, a tendência é que os moldes da Superliga Nacional 2016 seja mantidos, com conferências regionalizadas e seus campeões disputando os nacionais. O esquema de descenso e acesso, idem. A cereja do bolo, porém, estaria no Brasil Bowl, a final da competição. Segundo apurado, seria um evento como jamais foi visto no país.

Ainda não há informações quanto a eventual transmissão na TV e as informações sobre o assunto continuam desencontradas. Embora boatos de que o Esporte Interativo ou o Grupo Globo esteja envolvido, não há qualquer confirmação de nenhuma das entidades envolvidas. O nome “BFL – Brazilian Football League” foi registrado pelo Grupo Globo em 2006 (muito provavelmente, presume-se, com o intuito de vender as transmissões do Campeonato Brasileiro de futebol para o exterior). Isto não quer dizer, com efeito, que exista com certeza ligação entre a Globo e a organização do certame.

Comentários? Feedback? Siga-nos no twitter em @profootballbr e curta-nos no Facebook.