Uma senha sera enviada para seu e-mail

EM ANDAMENTO – O Torneio Touchdown foi uma das empreitadas mais interessantes quanto ao futebol americano nacional nos últimos anos. Falamos no pretérito porque a edição de 2016 está oficialmente suspensa pela direção do certame. Em nota oficial publicada na tarde desta quarta-feira (16), o Torneio Touchdown informou que não haverá a realização da competição na temporada 2016.

A competição existe de 2009, tendo na época André José Adler como patrono. Adler foi narrador dos canais ESPN de 1992 a 2006, tendo intensa ligação com os primeiros brasileiros que praticavam o esporte no Brasil. Em 2011, Luis Claudio da Silva, filho do ex-presidente Luís Inácio Lula da Silva, entrou como sócio do torneio.

A competição teve o Rio de Janeiro Imperadores como primeiro campeão, seguido pelo Vila Velha Tritões e pelo bicampeonato do Corinthians Steamrollers. A competição contava com muitas equipes que tinham algum tipo de vínculo com clubes de futebol. O Rio de Janeiro Imperadores passou a ser Fluminense Imperadores em 2010. Jogou a extinta Liga Brasileira de Futebol Americano (LBFA). re-entrou no TTD em 2013, mas o trocou o Fluminense e passou a ser Flamengo FA, por exemplo. Na última temporada, nove equipes tinham esse tipo de ligação, em maior ou menor grau: Corinthians, Botafogo/SP, Santos, Lusa/Portuguesa, Vasco da Gama, Flamengo, Botafogo/RJ, Juventude e Rio Branco/ES.

Durante o período, o campeonato foi patrocinado por grandes empresas – algumas com capital aberto na BOVESPA, como Ambev (via Budweiser), Tigre, Qualicorp, TNT (Cervejaria Itaipava) e Grupo CAOA (Hyundai do Brasil).

Confira a nota do TTD

“O Torneio Touchdown oficializa que não haverá campeonato em 2016
O Touchdown e os times não chegaram ao um consenso de como deveria funcionar o campeonato em 2016 e por causa disto decidimos que a Touchdown não irá mais organizar campeonato algum em 2016.

Agradecemos a todos que sempre nos seguiram e apoiaram. Esperamos que o Futebol Americano cresça cada dia mais.”

Luis Cláudio é sócio da empresa desde 2011. Na temporada de 2014, o TTD sofreu com a saída dos principais patrocínios e avisou aos clubes que não mais poderia ajudar com a bolsa de R$ 20 mil para cada equipe – valor que servia para ajuda de custos e deslocamento dos times.

Procurado pela Folha de São Paulo, Luis Cláudio informou que os motivos do fim da competição “são internos, entre a Liga e os times” e que não poderia se manifestar sobre o caso. À Folha, ele negou qualquer influência da Operação Zelotes, empreendida pela Polícia Federal.

— Não tem nada a ver com isso [investigações ]. Isso eu te garanto. Até porque primeiro eu precisaria ser acusado de alguma coisa para ter que me preocupar com a alguma defesa. Isso não existe — disse ele à reportagem da Folha.

Sobre a saída dos principais patrocinadores do Torneio Touchdown, Luis Cláudio foi enfático sobre uma possível crise dentro da empresa.

— Não é só o futebol americano que está assim. A crise está aí em todo lugar. Não tem nada a ver com qualquer outra coisa — contou.

Possível unificação dos times no Futebol Americano Nacional

Uma possível solução se avizinha no horizonte brasileiro. Em nota oficial publicada em uma rede social, o presidente da Confederação Brasileira de Futebol Americano (CBFA), Guto Sousa, explicou que caso haja um interesse dos 16 times em participar dos certames chancelados pela entidade, eles serão bem-vindos, desde que não prejudiquem os atuais filiados – tanto os times que disputam a Liga Nacional (2ª divisão), assim como a Superliga Nacional (1ª Divisão).

— A Liga Nacional será reaberta porque já estávamos com a tabela pronta, então essa medida é necessária para readequação. Nesse caso, vamos conversar com todos os interessados e se for o caso fazer uma adequação no formato que vinha sendo aplicado. Desde que essa medida não prejudique nenhum dos times que tem estado com a CBFA. Nenhum time da CBFA cairá de divisão ou terá que fazer deslocamentos maiores do que o que já estava previsto. Os novos times serão bem-vindos, mas só se a chegada deles não prejudicar ninguém — explicou Guto Sousa.