Uma senha sera enviada para seu e-mail

Incrível como o Cincinnati Bengals nos iludiu no começo desta temporada. Eu mesmo acreditava que o time passaria por uma renovação silenciosa e como AJ Green poderia ter seu futuro incerto com a franquia, tanto que escrevi sobre isso em julho aqui no Pro. O começo de temporada foi animador, com quatro vitórias nos cinco primeiros jogos, dando a esperança que neste ano a equipe engrenaria. O ataque tinha média de 30 pontos por jogo e a defesa vinha bem, principalmente forçando.

Menos de dois meses depois, tudo isso implodiu.


“odds"

O time perdeu seis dos sete jogos seguintes, vencendo somente o cambaleante Tampa Bay Buccaneers. O ataque, que antes era explosivo, agora não anota nem 20 pontos por jogo. A defesa se tornou uma peneira, fazendo o time ser humilhado em jogos como contra os Chiefs e os Saints. Andy Dalton, AJ Green e Tyler Eifert estão na lista de contundidos e não jogam mais esse ano. Marvin Lewis contratou Hue Jackson para ser o seu coordenador/assistente/cacique defensivo, apesar de não o nomear assim oficialmente. O time tem chances reduzidas de e nada faz crer que podem ter um corrida por eles.

É hora de uma renovação na franquia. Em outro patamar, mas os Bengals estão com um problema que acometeu os Browns e tem mudado desde a chegada de John Dorsey; estão se acostumando e aceitando o fracasso. Parece normal em toda temporada esperar que os Bengals mesmo tendo jogadores talentosos não vinguem. Ninguém mais se espanta quando eles não vão aos e mesmo quando vão, já se espera que percam na primeira oportunidade – é a equipe há mais tempo sem vitórias em, a última vez que isso aconteceu foi em 1990. Isso é triste e vai corroendo a confiança da franquia e tornando-se um ciclo vicioso derrotista. Por isso, separei algumas sugestões do que os Bengals devem fazer.

Contratar um

Mike Brown, você é o dono do time, mas como seu tempo já deu. Começando pelo fato de manter Marvin Lewis por tanto tempo no cargo, mesmo com as sucessivas derrotas em e temporadas fracas, são o mais claro indício que o time precisa de outra pessoa a frente das operações de.
“prmo"

Contratar Hue Jackson após a desastrosa passagem dele por Cleveland é mais um ponto que cimenta minha opinião sobre isso. Levem em conta também sua falta de postura e interesse em punir jogadores problemáticos,ignorando problemas disciplinares como os de Vontaze Burfict por exemplo e fica evidente que é necessário uma guinada.

Demitir Marvin Lewis e sua comissão técnica

Como bem citado pelo meu amigo Henrique Bulio em sua coluna dessa semana, o prazo de Marvin Lewis já expirou há um bom tempo e só os Bengals não notam isso.

Em determinados momentos cheguei a pensar que os Bengals eram uma empresa pública e Lewis um servidor concursado, cujo trâmite para demissão era complexo. O time vive em inércia, ele executa exatamente os mesmos planos de jogos de 10 anos atrás e talento é desperdiçado temporada após temporada. NENHUMA vitória em. Por favor, levem Lewis e junto com ele Hue Jackson e demais. Existem tantos nomes em minha cabeça, mas John DeFilippo é o primeiro que me aparece na mente como ideal para um renovação como a que os Bengals precisam.

Trocar AJ Green

Trocar Green abriria um espaço de aproximadamente 15 milhões na folha salarial. O jogador será agente livre ao final de 2019 e convém aos Bengals conseguir algo em troca do seu maior ao em vez de correr o risco de o ver sair gratuitamente. Caso a diretoria queira uma abordagem mais drástica ante as lesões do talentoso recebedor, o contrato tem saída neste ano: após 2018, em caso de corte, há apenas 3 milhões de dólares de peso morto para os anos posteriores.

Green ainda produz em bom nível, mas já terá 31 anos na temporada que vem e as lesões tem sido constantes nas duas últimas temporadas. Com certeza alguns times se interessariam por seu jogo e os Bengals podem lucrar conseguindo escolhas no ou mesmo algumas peças interessantes e que custem menos. Para reposição dele, a classe na posição no próximo se mostra com bastante opções promissoras.

Livrar-se de Andy Dalton

Seja via troca ou cortando, os Bengals precisam se livrar de Dalton. O que representa exatamente o meio da tabela na escala dos, ele é um símbolo dessa nefasta cultura derrotista anteriormente criticada.



Seu contrato não tem dead cap, e se o time não encontrar ninguém interessado numa troca (o que acho pouco provável, na NFL tem sempre alguém desesperado por um), o time pode simplesmente cortá-lo sem que pese nada.

A classe no não é tão boa, mas o time terá espaço salarial suficiente para atacar algum free agent ou buscar alguma troca por outro nome. Na pior das hipóteses, busca-se um tampão para 2019 e em 2020 ataca-se a boa classe que virá das universidades – Jake Fromm/Tua Tagovailoa & Amigos

Contratar ou draftar peças chaves em posições críticas

A posição de precisa de melhora com urgência e numa divisão onde você enfrenta Terrell Suggs, TJ Watt e Myles Garrett duas vezes ao ano, ter Andre Smith protegendo seu é um risco iminente que você não pode tolerar.

Leia mais:   A temporada incrível de Barkley é suficiente para apagar as questões sobre a sua escolha alta no Draft?

O grupo de é muito fraco e precisa de um jogador moderno, com capacidade de parar corridas mas também ajudar contra o passe. A secundária precisa de profundidade, especialmente na posição de e o time não tem um que possa ser a referência.

O time tem talento e uma base que bem trabalhada pode levar em pouco tempo a mudança necessária em direção de temporadas vitoriosas. Joe Mixon, Sam Hubbard, Tyler Boyd, Geno Atkins, Carlos Dunlap, Willian Jackson e Jessie Bates formam uma espinha dorsal que muitos times mais bem sucedidos na NFL não têm. O problema está no entorno desta espinha, tão mal planejada. Caso as ações sugeridas não sejam tomadas, possivelmente veremos mais derrotas e esses nomes escoando aos poucos para brilharem em outros times na NFL.

Comentários? Feedback? Siga-me no Twitter em @deivischiodini, ou nosso site em @profootballbr e curta-nos no Facebook.

Exclusivo de nossos assinantes – assine agora com 30% de desconto
🏈 PRO! | História: Quando Dan Marino ficou 19 jogos sem sofrer um único
🏈 PRO! | Podcast: O que fazer e o que não fazer para os do Fantasy
🏈 PRO! | A linha ofensiva dos Eagles pode catapultar o time a pós-temporada
🏈 PRO! | Mayfield “volta à terra” e finalmente Texans vencem… E convencem
🏈 PRO! | Wilson e Bobby Wagner fazem partida fantástica e mostram-se pilares do “novo” Seahawks
🏈 PRO! | A vitória “cultural” de Bill Belichick e dos Patriots sobre os Vikings


“proclubl"