Uma senha sera enviada para seu e-mail

O Los Angeles Chargers entrou a Semana 13 com apenas duas derrotas. Nisso, havia uma leitura boa e uma leitura ruim.

A leitura boa é que o time é forte e tinha bom aproveitamento no ano. A leitura ruim é que, assim como ano passado, não havia vencido os “grandes confrontos”, os jogos contra “times fortes”. Duas das três derrotas do time em 2018 eram contra Los Angeles Rams e Kansas City Chiefs – respectivamente as duas melhores campanhas da NFL na AFC e na NFC.




Muito por conta disso, até ontem, olhávamos com certa desconfiança para o time de Philip Rivers e companhia. Isso mudou após a virada no Sunday Night Football. Depois de ontem, os Chargers merecem mais amor.

A equipe foi até Pittsburgh, num jogo difícil contra os Steelers – líderes da AFC North e que, por mais que tenham vindo de duas partidas ruins (Jaguars e Broncos) são uma potência estabelecida na conferência. Vencê-los significaria se juntar de modo definitivo à primeira prateleira da AFC e foi o que os Chargers fizeram.

Ajustes no segundo tempo foram cruciais para virada

Os Steelers mandaram em Philip Rivers por 16 oportunidades, incluindo 4 dos 5 últimos passes do jogo. Rivers teve 5-6 para 60 jardas e 4 first downs no segundo tempo quando nessa situação. Naturalmente, pela quantidade de no primeiro tempo, a comissão técnica e o do Los Angeles Chargers fizeram ajustes.

Na defesa, a mesma coisa. Ben Roethlisberger teve 1-5 em passes para mais de 10 jardas. No primeiro tempo, teve 3-7 e um em lançamentos assim (somando, ainda, uma interceptação). A secundária dos Chargers foi capaz de fazer o diagnóstico do plano de jogo ofensivo dos Steelers e, em fazendo isso, estavam mais preparados para defendê-lo.



“prmo"

Keenan Allen tem noite mágica

Os Steelers colocaram um/defensive lineman  para marcar Keenan Allen ontem e isso não faz muito sentido. Por que não um? Resultado foi o que vimos. 7 recepções em situações assim, incluindo algumas cruciais no segundo tempo.

Allen teve 148 jardas em 14 recepções, ambas as maiores marcas de sua temporada. No quarto jogo seguido do com pelo menos um , ele foi de vital importância numa partida em que os Chargers não puderam contar com Melvin Gordon, running back que está machucado.

Justin Jackson e Austin Ekeler (em dia apagado) combinaram para 84 jardas terrestres em 21 tentativas, mas o fiel da balança foi a atuação de Allen. Claro: alguém tem que passar a bola para ele e esse cara merece (muito) amor. Na noite em que sua esposa anunciou estar grávida do 9º filho (!!!!), Rivers conseguiu a sétima vitória da carreira quando seu time esteve atrás no placar por 16 pontos ou mais. Só Peyton Manning tem 7. Ninguém tem mais.

Caminho em frente

Com a vitória, os Chargers tiram do caminho a primeira pedra rumo aos. No ano passado, começaram 0-4 e quase foram o primeiro time desde 1992 a chegar à pós-temporada depois de um começo tão ruim. Naquele ano… os Chargers conseguiram.

A temporada 2018 reservou uma história diferente. Los Angeles… argh, ainda não me acostumei… Ah, dane-se, San Diego agora está a um jogo do Kansas City Chiefs pela liderança da divisão. Seja como for, chega aos como um time a ser temido. Allen, Rivers, Bosa, Ingram e Gordon quando voltar: a equipe tem várias peças para causar estrago nos da AFC. Depois de ontem, isso parece apenas questão de tempo.

Exclusivo de nossos assinantes – assine agora com essa oferta de 30% de desconto
🏈 PRO! | Mayfield “volta a terra” e finalmente Texans vencem… E convencem
🏈 PRO! | Wilson e Bobby Wagner fazem partida fantástica e mostram-se pilares do “novo” Seahawks
🏈 PRO! | A vitória “cultural” de Bill Belichick e dos Patriots sobre os Vikings
🏈 PRO! | Apagão de New Orleans cria preocupações num time favorito




SIGA-NOS!

Siga-nos no Instagram: @antonycurti
Inscreva-se em nosso canal do YouTube, vídeos novos toda semana.