Uma senha sera enviada para seu e-mail

Como já é tradição na pré-temporada da NFL, o jogo de abertura da mesma é o chamado Hall of Fame Game, que aconteceu no início do mês. A “Semana 0”, como é chamada, tem uma série de eventos que culminam com a cerimônia oficial de introdução dos novos membros no Hall da Fama do Futebol Americano Profissional. Como comentamos, é a maior honraria individual que um jogador profissional pode receber.

Para se tornar elegível para o Hall da Fama, o jogador precisa ter aposentado há pelo menos cinco temporadas. Assim, a cada ano, uma nova “safra” de jogadores aposentados aparece entre os possíveis novos membros. Há um processo inicial de indicação seguido de uma votação, no qual é necessário obter 80% de votos favoráveis.

Sempre quando estamos nessa época da inserção de uma nova classe, muitos fãs da NFL se perguntam quem são os jogadores que merecerão estão no Hall da Fama no futuro. Com nossa bola de cristal, vamos fazer algumas previsões de nomes que podem ser eternizados nos próximos 10 anos.

Para essa lista, incluímos apenas jogadores que devem se aposentar nos próximos cinco anos – portanto, aqueles com idade mais avançada (acima de 30 anos).

Aviso importante: não consideramos nomes que são quase certeza, pois a ideia é trazer aqueles que são discutíveis e/ou precisam produzir um pouco mais para serem considerados. Desse modo, decidimos não incluir nomes como Tom Brady, Drew Brees, Larry Fitzgerald, Adrian Peterson, Ben Roethlisberger, Joe Thomas, Julius Peppers, Antonio Gates, James Harrison, Dwight Freeney e Jason Witten. Tampouco consideramos jogadores já aposentados que também são quase certeza, como Peyton Manning, Brian Urlacher e Troy Polamalu.

Vamos lá então?

Darrelle Revis, Cornerback

Amado por uns e odiados por outros, Darrelle Revis talvez seria o jogador dessa lista com maiores chances de estar no Hall da Fama caso se aposentasse hoje. Logo que chegou à NFL em 2007, teve um grande impacto na defesa do New York Jets. A partir de então, só evoluiu seu jogo e tornou-se um dos melhores cornerbacks da liga, fazendo jus ao apelido de Revis Island.

Suas estatísticas só não são mais impressionantes porque muitas vezes é evitado pelos quarterbacks adversários. Contudo, as sete seleções para o Pro Bowl e outras quatro All Pro dão boas credenciais para se tornar membro do Hall da Fama. Ainda assim, mais uma ou duas temporadas atuando em alto nível talvez ajudem Revis a ser uma escolha indiscutível para estar entre os maiores do esporte. O problema é que no ano passado ele foi bem mal e neste ano ainda não encontrou equipe.

Eli Manning, Quarterback

Quem vê Eli jogando toda semana certamente diria que ele está longe de merecer estar no Hall da Fama. Contudo, alguns pontos pesam muito a seu favor: durabilidade e vitórias. O mais novo dos irmãos Manning quebra recordes da franquia toda temporada e não perde jogos, então seus números totais impressionam.  Mais do que isso, quatro Pro Bowl e dois anéis de Super Bowl com duas escolhas de MVP.

Ainda que muitos sejam contra, vale lembrar que todos os outros jogadores que foram MVP do Super Bowl duas ou mais vezes estão ou estarão no Hall da Fama. Mais uma ou duas boas temporadas (vitoriosas) selariam a vaga em Canton.

Terrell Suggs, Linebacker

Suggs é o único restante das defesas dos Ravens da década passada, uma unidade extremamente consistente. Apesar de muitas vezes ter sua participação pouco notada por estar ao redor de tantas estrelas, sempre foi sinônimo de consistência e regularidade. Já são 14 temporadas aterrorizando os quarterbacks adversários, não participando de apenas 27 partidas nesse período.

No total, Suggs tem seis temporadas com mais de 10 sacks, seis seleções para o Pro Bowl, uma seleção All Pro, foi calouro defensivo em 2003 e jogador defensivo do ano em 2011. Tais prêmios o credenciam para o Hall da Fama, mas talvez seja questionado por não ter maior produção em termos de estatística. Talvez mais uma ou duas temporadas sejam o suficiente para colocá-lo em os grandes nomes do esporte.

Aqib Talib, Cornerback

Talib é inquestionável como um dos melhores cornerbacks da NFL na atualidade. O problema foi seu início de carreira; Nas quatro temporadas em Tampa Bay, nunca foi notado como um dos melhores da liga apesar de bons números. A partir de sua segunda temporada em New England, em 2013, o defensor deslanchou.

Desde então, o cornerback foi escolhido para o Pro Bowl nas quatro temporadas, se firmando como um dos principais nomes da posição. Ainda com 30 anos, ele vem de uma temporada All Pro, na qual conseguiu anular diversos recebedores adversários. Isso indica que o defensor ainda deve atuar em alto nível por mais algumas temporadas e ter motivos de sobra para ser escolhido para o Hall da Fama.

Publicidade




Adam Vinatieri, Kicker

Temos um kicker!! É extremamente raro termos chutadores selecionados para o Hall da Fama – esse ano, pela segunda vez na história, tivemos um. Só que estamos falando de um dos mais consistentes e decisivos jogadores da história da NFL. Mesmo sem nunca ser uma estrela ou ter uma perna extremamente forte, se tornou um dos nomes mais confiáveis para finalizar uma partida. Tanto é que jogou somente por dois times – Patriots e Colts – e é ídolo em ambos.

Apesar de ter sido escolhido para apenas três Pro Bowls e sendo três vezes All Pro, ele tem simplesmente quatro anéis de Super Bowl (em cinco aparições), sendo que duas dessas vitórias aconteceram por um de seus chutes nos segundos finais. Os apelidos Mr. ClutchIceman ilustram bem o que Vinatieri representa: segurança para um chute nos segundos finais.

Jason Peters, Offensive Tackle

Peters tem uma história extremamente curiosa: chegou como defensive tackle no college, saiu como tight end e não foi escolhido no Draft. Nos primeiros anos com os Bills, aprendeu a jogar como offensive tackle e desde então se tornou um dos mais dominantes da NFL. O fato de ser um jogador de linha ofensiva diminui um pouco a #empolgação para chegar ao Hall da Fama, mas dá pra dizer que o caminho está bem traçado.

Desde 2009, Peters só não foi ao Pro Bowl em 2012, sendo escolhido All Pro em duas ocasiões. A regularidade e consistência o fazem um candidato sério, e aparentemente ele ainda consegue manter seu ótimo nível por mais algumas temporadas. Assim, tem grandes chances de escolhido quando se aposentar.

Brandon Marshall, Wide Receiver

Marshall tem uma carreira bem diferente do que seria comum para um jogador de Hall da Fama: os Giants serão o quinto time dele desde que entrou na liga, em 2006. Nos outros quatro, foi ao Pro Bowl pelo menos uma vez com cada – são seis aparições no jogo das estrelas, além de uma seleção All Pro.

Um ponto que pesa muito contra o wide receiver é nunca ter jogado uma partida de playoffs, outro aspecto incomum para jogadores de elite. Entretanto, não dá para confundir sua capacidade individual com a incapacidade dos elencos nos quais ele jogou. Agora em 2017, jogando nos Giants, ele tem chances reais de ter sua primeira aparição na pós-temporada. Mais do que isso, continua sendo produtivo, podendo acumular jardas e touchdowns para garantir um lugar em Canton.

Jimmy Graham, Tight End

Quatro aparições no Pro Bowl, uma seleção All Pro e apenas 30 anos. Um dos mais jovens em nossa lista, Jimmy Graham ainda deve ter mais alguns bons anos para se consolidar como um candidato forte ao Hall da Fama. E quem se lembra dele recebendo passes de Drew Brees sabe muito bem que Graham tem talento de sobra para isso

O primeiro Curso só sobre Futebol Americano: Confira nossa empreitada, com 12 horas de aula sobre seu esporte favorito!

tight end teve quatro temporadas fantásticas em New Orleans, com quase 4.400 jardas e 46 touchdowns. No primeiro ano em Seattle não foi tão bem, mas parece ter voltado a boa forma na última temporada. Mantendo um desempenho ao redor de 1.000 jardas recebidas por mais 2 ou 3 temporadas fará com que ele não seja esquecido nas votações para o Hall da Fama.

Frank Gore, Running Back

Ídolo em San Francisco, Gore teve sua carreira bastante ofuscada pelos vários anos em que teve um elenco bem fraco ao seu redor. Das 10 temporadas com os 49ers, foram oito anos para mais de 1.000 jardas, nove com pelo menos 200 carregadas e cinco idas ao Pro Bowl. Talvez ele nunca tenha sido o melhor da liga, mas dá para dizer que ele é o mais consistente da última década: são mais de 13.000 jardas em 12 anos, com uma média absurda de 4.4 jardas por carregada.

Apesar de um certo declínio nos últimos dois anos com os Colts, ainda se manteve acima de 950 jardas em ambas temporadas. Ou seja, dá pra acreditar que o longevo running back ainda tem gasolina no tanque para dar trabalho na NFL – e assim selar seu passaporte para o Hall da Fama.

Joe Staley, Offensive Tackle

Se Frank Gore for para o Hall da Fama, ele deve ao menos um muito obrigado a Joe Staley. A inclusão do linha ofensiva nessa lista foi uma decisão difícil – para um jogador da posição ser escolhido, ele precisa se destacar demais, algo que Staley não fez. Contudo, ele era o pilar da linha ofensiva que abria espaços para as corridas de Gore.

Selecionado no Draft de 2007, assim que chegou à NFL tornou-se titular como right tackle. Na temporada seguinte, mais experiente, foi movido para proteger o lado cego do quarterback. Desde então, só não foi o protetor da extremidade esquerda da linha em apenas 17 partidas – das quais ficou de fora por lesão. No mais, sempre foi sinônimo de segurança e muita capacidade atlética. Apesar disso, foi para o Pro Bowl pela primeira vez apenas em 2011, repetindo por outros quatro anos consecutivos. Talvez mais três ou quatro temporadas em alto nível ajudem Staley a ser considerado para o Hall da Fama.

Esquecemos de alguém? Diga-nos no twitter em @profootballbr e curta-nos no Facebook.

“RODAPE"