Uma senha sera enviada para seu e-mail

Ben Roethlisberger já deixou claro qual será o clima da partida do próximo domingo ao afirmar, há alguns dias, que gostaria de reencontrar os Jaguars nos playoffs. Após ser dominado e quase humilhado por Jacksonville na semana 5, perdendo por 30 a 9 e lançando cinco interceptações (maior marca da carreira), o quarterback quer vingança, assim como provavelmente todo o restante do time.

Para quem não se lembra, a derrota de outubro foi o ponto mais baixo da temporada de Pittsburgh. O ataque não conseguia se encontrar, Big Ben estava atuando mal e as pessoas começaram a questionar se era o fim da linha para ele na NFL. Entretanto, tudo mudou a partir daí. Desde então, Roethlisberger (22 touchdowns e sete interceptações ao todo) e o ataque voltaram aos trilhos, ajudando a franquia a vencer 10 jogos e só perder um.

Enfim, os Steelers terão sua oportunidade de desforra no próximo domingo, às 16 horas (horário de Brasília), quando receberão Jacksonville em confronto válido pelo Divisional Round da AFC.

“STEELERS"

O duelo que pode decidir o jogo: linha defensiva dos Jaguars vs. linha ofensiva de Pittsburgh

A partida estará repleta de embates individuais interessantes, como Antonio Brown vs. Jalen Ramsey ou Le’Veon Bell vs. Telvin Smith, mas optamos por fugir um pouco do óbvio e destacar a batalha nas trincheiras como o principal duelo do jogo.

Graças sobretudo à sua linha defensiva, Jacksonville é a segunda equipe mais produtiva da NFL pressionando os signal callers adversários: 43,5 dos seus 55 sacks vieram através de seus defensive linemen. Calais Campbell, eleito oficialmente o prefeito de “Sacksonville“, quebrou o recorde da franquia com 14,5 sacks, segunda melhor marca da liga em 2017. Na sequência, temos Yannick Ngakoue (12), Dante Fowler (8) e Malik Jackson (8). Esta habilidade de chegar nos quarterbacks com apenas quatro homens é o que fez a defesa dos Jaguars tão especial na temporada.

Pittsburgh, por sua vez, cedeu apenas 24 sacks no ano, o que coloca o time empatado na terceira posição do ranking da melhores linhas ofensivas da NFL. Tal proteção foi fundamental para o sucesso do ataque, pois Roethlisberger não foi tão bem assim quando pressionado: ao todo, totalizou um passer de 74,7 nestas situações.



Em suma, o mapa da mina para Jacksonville é fazer a vida de Big Ben um inferno durante o maior número de snaps possíveis. No confronto da semana 5, o quarterback lançou três interceptações e terminou com um rating de 8,9 somando as 22 vezes em que foi pressionado. Se conseguir chegar em Roethlisberger com um pass rush de quatro homens e deixando o resto dos jogadores cobrindo Brown, JuJu Smith-Schuster etc., os Jaguars aumentarão consideravelmente suas chances de vitória. Em contrapartida, uma boa performance da linha ofensiva é a chave para os donos da casa.

Agora, o contrário também é válido. Lembra quando dissemos que Jacksonville é a segunda equipe mais produtiva pressionando os signal callers? Então, eles só ficam atrás justamente dos Steelers. A franquia lidera a liga com 56 sacks, embora não tenha um destaque individual – todo mundo da defesa contribui. E os Jaguars, por outro lado, também possuem uma linha ofensiva de respeito, a qual permitiu os mesmos 24 sacks de Pittsburgh. Ou seja, será uma a luta intensa entre duas das equipes mais consistentes da NFL nas trincheiras.

Outra coisa para ficarmos de olho: Blake Bortles correndo com a bola

Pela segunda vez nas últimas 25 temporadas, um quarterback terminou um jogo de playoff com mais jardas terrestres do que aéreas e venceu. O feito foi conseguido por Blake Bortles no triunfo por 10 a 3 sobre os Bills, no Wild Card, quando ele correu para 88 jardas e só passou para 87 – em 2005, Michael Vick fez algo parecido pelos Falcons.

Bortles não é exatamente um Russell Wilson, mas é capaz de fazer estrago com as próprias pernas, sobretudo em situações de improviso – seis das suas 10 tentativas de corrida contra Buffalo foram scrambles. É claro que ele precisa ser mais produtivo lançando, ainda mais diante de um ataque infinitamente mais poderoso como o de Pittsburgh, mas correr com a bola pode sim ser uma alternativa quando as coisas não estiverem dando certo pelo alto, afinal Bortles e o coordenador ofensivo de Jacksonville precisam lutar com as armas que eles têm.



Lesões: Antonio Brown está de volta

Brown rompeu parcialmente o músculo da panturrilha na semana 15 e desde então não entrou mais em campo. O wide, porém, está treinando de maneira integral e parece recuperado, com todos os sinais indicando que ele não deve ser problema no domingo.

O retorno de Brown é uma excepcional notícia para o ataque aéreo de Pittsburgh, afinal Jacksonville conta com Ramsey e A.J. Bouye, a melhor dupla de cornerbacks da liga em 2017 – Bouye, por exemplo, cedeu apenas 38 recepções, nenhum e um rating de 31,6 pontos nos 84 passes lançados em sua direção. Lembrando que, no duelo da semana 5, o wide foi alvo de 19 lançamentos, recebendo 10 deles para 157 jardas.

Outras lesões importantes:

Artie Burns, CB – Pittsburgh Steelers: Burns sofreu uma lesão no joelho durante o treinamento de quarta-feira, mas, segundo ele mesmo, não é nada grave. Embora não haja nada oficial, a expectativa é que o cornerback esteja em campo contra os Jaguars.

Leia mais:   4 Descidas: A cada semana que passa, Pat Mahomes quebra os que duvidam dele

Comentários? Feedback? Siga-me no Twitter em @MoralezPFB, ou nosso site em @profootballbr e curta-nos no Facebook.

Textos Exclusivos dos Assinantes ProClub nesta semana, Assine!:
História, 2007: Em pleno Heinz Field, Jaguars derrubam Pittsburgh no Wild Card
ProClub: Palpites/Picks, Divisional Round 2017/18
Envelhecidos, sem Palmer e Arians: Arizona e o seu inevitável reboot ofensivo em 2018
Qual será o futuro de Tyrod Taylor?
Podcast, ProClub: Experiência conta nos? Quanto?