Uma senha sera enviada para seu e-mail

Tirando o Thursday Night Football entre Oakland Raiders e Kansas City Chiefs, o duelo entre Green Bay Packers e Seattle Seahawks é um dos mais aguardados nessa Semana 14. A história recente das equipes – a partida do fail mary, a final de conferência às vésperas do Super Bowl XLIX – é recheada de reviravoltas, polêmicas, e, acima de tudo, paridade. E é esse equilíbrio entre um quarterback de talento monstruoso com uma defesa que é sempre uma bastilha que esperamos ver no Lambeau Field.

O baque da perda de Earl Thomas

safety Earl Thomas, um dos pilares de toda a unidade defensiva do Seattle Seahawks, teve uma fratura na perna no último Sunday Night Football e provavelmente não voltará para a temporada de 2016. Uma perda inestimável para esta defesa. Apenas para ilustrar, na jogada seguinte à saída de Thomas, Cam Newton acertou Ted Ginn Jr. com uma bomba. É esse o nível de temor reverencial que os signal callers carregam quando enfrentam o camisa 29.

Afortunadamente, Kam Chancellor e Richard Sherman seguem muito bem, obrigado. O cornerback, inclusive, é evitado pelo ataque do Green Bay Packers – nas últimas três partidas entre as duas equipes, Sherman só teve três bolas lançadas sob sua cobertura.

Honestamente, a maior preocupação aqui é que os recebedores do Green Bay Packers encontrem espaços nessa dura unidade. A ausência de Earl Thomas pode ser a saída, mas, naturalmente, Pete Carroll esquematizará de forma a mascarar ou reduzir este impacto. Assim, os problemas em criar separação que já acompanham os wide receivers do Green Bay Packers se tornam a principal variável na equação do ataque contra a defesa.

A vingança de Christine Michael?

Dispensado pelo Seattle Seahawks, Christine Michael hoje veste o verde amarelo do Green Bay Packers. E ele será importante para equilibrar as ações defensivas do Seattle Seahawks.

Se o jogo corrido do Green Bay Packers não encaixar, a defesa já estará sempre esperando o passe. E se a secundária já é sólida, isso torna a vida de Aaron Rodgers mais difícil ainda. Claro, correr em cima de Michael Bennett, Bobby Wagner e K.J. Wright não é a coisa mais fácil do mundo.

No final das contas, veremos um excelente duelo, mais uma vez entre essas duas unidades. Considerando que a defesa dos donos da casa não tem sido a mais estável, é bem provável que Russell Wilson, Thomas Rawls e companhia consigam anotar os pontos necessários para forçar Rodgers a correr atrás do placar. É a receita para o sucesso do Seattle Seahawks: force o quarterback a passar em cima de Richard Sherman. O problema nesta semana é que esse quarterback é o Aaron Rodgers.

Comentários? Feedback? Siga-nos no twitter em @profootballbr e curta-nos no Facebook.