Uma senha sera enviada para seu e-mail

Imagine se você estivesse apaixonado por um imóvel para alugar, mas ele está no mercado e pode ir para qualquer outro inquilino. E se houvesse um “seguro” que congelasse a demanda dos outros interessados e deixasse só você negociar até julho? Parece uma ideia boa, né? Claro, o problema é que você deveria pagar a média dos cinco maiores alugueis daquele condomínio num contrato de um ano.

“odds"
2018 NFL FREE AGENCY
🔒 TOP 100 Free Agents Disponíveis
Trocas que podem acontecer
Quanto seu time tem para gastar?
🔒 Necessidades posicionais
Quem seu time pode perder?
Teto Salarial por time
🔒Movimentações possíveis: AFC
🔒Movimentações possíveis: NFC
Como funciona a Free Agency
Resumo da Franchise Tag

Sacou a ideia? Se você achou que eu estava falando da franchise tag, acertou. O recurso foi criado junto da Free Agency, há 25 anos. A ideia era permitir que os times não perdessem a cara de suas franquias – os Dan Marino, Jim Kelly, John Elway e companhia.

Neste texto, do ano passado, explico detalhadamente como ela funciona. Existe mais de um tipo e existe um modo de um time atravessar a tag, embora o preço seja caro demais para pagar.

Lembrando que os times tiveram até dia 6 de março para colocar a tag.

Quem recebeu:

Jarvis Landry, WR, Miami Dolphins: O Henrique Bulio escreveu mais extensamente sobre o assunto neste texto – mas, em resumo, os Dolphins não tinham muito o que fazer quanto a este buraco que eles mesmos se colocaram. A ideia parece ser colocar a tag e tentar trocar Landry – tal como Washington mui provavelmente queria fazer com Kirk Cousins mas não fará por conta do preço proibitivo.

Ezekiel Ansah, DE, Detroit Lions: A exemplo do ano passado, com vários pass rushers recebendo a tag, os Lions não tiveram muita escolha – conforme o Gabriel Moralez escreveu aqui. Além de Ansah, o time não possui muitos jogadores capazes de pressionar o quarterback adversário –  e digamos que isso é importante ao jogar contra Aaron Rodgers duas vezes por ano.

Le’Veon Bell, RB, Steelers: Embora tenha falado anteriormente que “não joga em 2018” se for com a franchise tag, o Pittsburgh Steelers não pode se dar ao luxo de permitir que Bell chegue o mercado.

A ideia do general manager Kevin Colbert não é, inicialmente, de ter Bell por contrato de um ano a peso de ouro – é apenas de jogar a negociação lá pra frente e evitar que o running back seja free agent. Foi exatamente o que aconteceu.

Demarcus Lawrence, DE, Cowboys: Grata surpresa na temporada passada, ainda mais considerando as apostas recentes de Dallas que não deram certo na posição – vide Greg Hardy – o defensive end foi um dos poucos pontos positivos da defesa dos Cowboys no ano passado. Aqui, a tag pode ser algo como “garantia no carro bichado”.

Calma, eu explico. Nos três primeiros anos de seu contrato, Lawrence teve suspensões e lesões. Dar um contrato gordo para ele antes de mais um ano como o de 2017 parece uma ideia meio complicada de se apostar. O problema aqui é quanto ele custaria com a tag. De acordo com o OverTheCap.com, na posição de defensive end a tag seria de 17,5 milhões (!!!). De toda forma, nada que Dallas pudesse fazer.

Lamarcus Joyner, S, Rams: Depois de usar a franchise tag em Trumaine Johnson na temporada passada, os Rams dificilmente fariam isso novamente para “proteger” a secundária – o preço seria proibitivo. Então, ficaram na “escolha de Sofia”: Sammy Watkins ou Joyer? O safety foi o escolhido para a tag, visto que há outros bons wide receivers no elenco.

Kyle Fuller, CB, Bears: Jogos excelentes (como contra a AFC North em 2017) e potencial de primeira rodada que ainda não foi atingido com consistência. Com um elenco que parece começar a dar liga – ao que tudo indica, claro – os Bears têm uma boa dupla de safeties e não podem se dar ao luxo de perder peças no corpo de cornerbacks. Aqui, a tag vem muito por conta de “vamos ver o que vira em mais um ano antes de renovar com ele”. OBS: No caso de Fuller, foi usada a “transition tag” – aqui neste texto a diferença.

Nomes que poderiam ser tagados, mas não foram:

  • Sammy Watkins, WR, Rams
  • Andrew Norwell, OG, Panthers
  • Sheldon Richardson, DT, Seahawks
  • Jimmy Graham, TE,  Seahawks;
  • Nate Solder, OT,  Patriots.
  • Allen Robinson, WR, Jaguars;
  • Justin Pugh, OL, Giants.

Case Keenum: Já foi divulgado na segunda passada que o Minnesota Vikings não usará a franchise tag em seu quarterback titular do final da temporada passada. Vale lembrar, os três quarterbacks dos Vikings (ele, Sam Bradford e Teddy Bridgewater) são free agents em março.

Última atualização em 8 de março, 15h.

Comentários? Feedback? Siga-me no twitter em @CurtiAntony ou no facebook – e ainda, nosso site em @profootballbr e curta-nos no Facebook.

Em abril, teremos um curso/workshop que tratará sobre tudo o que você precisa saber sobre o Draft da NFL. Veja mais detalhes aqui.

Textos Exclusivos do ProClub:
Free Agency 2018: Top 100 melhores jogadores no mercado
Lista: Necessidades, por posição, para os 32 times da NFL (Draft e Free Agency)
Uma movimentação que cada franquia da AFC deveria fazer na Free Agency
O que esperar de Matt Nagy no Chicago Bears?
Uma movimentação que cada franquia da NFC deveria fazer na Free Agency
Mike Glennon e a duração do contrato na NFL: como ler corretamente
Será que os Packers finalmente serão agressivos na free agency?
Franchise Tag: Veja quem já recebeu e quem ainda pode receber