Uma senha sera enviada para seu e-mail

Houve dois grandes destaques na partida entre Tennessee Titans e Kansas City Chiefs na noite de ontem. O primeiro, positivo, foi o ressurgimento de Marcus Mariota após uma péssima temporada. O segundo, negativo, foi o naufrágio completo dos Chiefs – de novo.

Mariota fez tudo o que um quarterback pode pensar em fazer num jogo de futebol americano. No segundo tempo, depois de bons ajustes feitos no intervalo pelos treinadores de Tennessee, ele passou para dois touchdowns – apenas a segunda vez na temporada que fez isso. Um deles, aliás, foi para si mesmo: Mariota passou a bola, ela foi desviada por Darrelle Revis e ele mesmo “pegou o rebote”, entrando na end zone – e isso conta como passe completo para… Mariota. É apenas a segunda vez na história que um jogador passa para si mesmo num touchdown. A primeira foi com Brad Johnson, então quarterback do Minnesota Vikings.

Mas espere, tem mais. Ele também correu bem com a bola. Mariota conquistou quatro primeiras descidas, igualando maior marca em sua carreira na NFL. A última vez que um quarterback fez isso foi com Cam Newton em 2015, na final da Conferência Nacional. Quer mais? Tem. Na corrida derradeira por Derrick Henry, de 22 jardas para queimar cronômetro e selar a vitória, o quarterback dos Titans teve um bloqueio crucial.

Do outro lado, a implosão

O mesmo vídeo acima simboliza a implosão do Kansas City Chiefs. Veja o camisa 24, Darrelle Revis. Em vez de se esforçar e tentar o tackle em Henry, ele anda em campo. Há muito se sabe que Revis não é lá dos mais esforçados em parar o jogo terrestre, mas a expectativa era que ele ao menos, bom, ao menos tentasse.

Kansas City perdeu Eric Berry na primeira semana da temporada regular e desde então a secundária não foi a mesma. Quando Derrick Henry atingia o segundo nível ontem, não havia o consistente Berry para tentar pará-lo. Resultado? 8,5 jardas por tentativa quando correndo pelo meio do campo. Os Titans converteram 7-8 em terceiras descidas no segundo tempo – isso simplesmente não pode acontecer quando se está vencendo por 21-3.

O ataque dos Chiefs também pipocou, com o perdão da expressão – não há melhor. Sem Travis Kelce, o time caiu de 7,5 para 4,9 jardas por jogada – sem nenhum ponto marcado no segundo tempo. Além disso, um festival de drops: três, nítidos, no sábado (e todos poderiam dar uma primeira descida para Kansas City).

Alex Smith pode ter se despedido dos Chiefs. Ele tem salário de 20 milhões de dólares para a próxima temporada, o time draftou um quarterback – Patrick Mahomes – na primeira rodada do Draft deste ano e, para completar, Kansas City está enforcado com o teto salarial. Já rodam notícias de que o time colocou Smith no mercado para troca. Vejamos como isso se desenvolve.

Comentários? Feedback? Siga-me no twitter em @CurtiAntony ou no facebook – e ainda, nosso site em @profootballbr e curta-nos no Facebook.

Cobertura completa e exclusiva em textos exclusivos: 
História: Os 7 melhores jogos de Wild Card na história da NFL
Prévia: Chiefs e Titans abrem os playoffs e não despreze o confronto
Duelo de ataques? Falcons e Rams: o confronto de times em momentos distintos

Textos Exclusivos do ProClub, Assine!
Jon Gruden: o brilho da prata ou a ausência de luz do preto?
11 times que podem escolher um quarterback cedo no próximo Draft
Ron Rivera, Jerry Richardson e a relação patrão/empregado na NFL
Não existe explicação plausível para os Bengals renovarem com Marvin Lewis
Cousins, Garoppolo & Brees: Os 30 quarterbacks free agents em 2018