Uma senha sera enviada para seu e-mail

Pessoalmente falando, eu era um grande fã de Brett Hundley saindo do College. Bom, às vezes os prospectos não se desenvolvem como esperamos;

Depois de dois anos longe de UCLA e sendo obrigado a vê-lo em campo com a lesão de Aaron Rodgers em 2017, ficou clara a necessidade do Green Bay Packers de melhorar a profundidade na posição, e isso foi realizado: segundo o insider Adam Schefter, a equipe adquiriu o quarterback DeShone Kizer do Cleveland Browns em troca do Damarious Randall. As duas organizações também trocaram escolhas de quarta e quinta rodada. A primeira impressão é de uma troca ruim para a franquia do Wisconsin – trocar seu principal cornerback por um passador que será o reserva não pode ser bom, certo?

Errado.

Não vamos esquecer de dois detalhes bastante importantes aqui: Aaron Rodgers completará 35 anos durante a próxima temporada e seu histórico de lesões não é dos menores – a clavícula esquerda e a direita já foram quebradas e essas não são as únicas lesões. Kizer está adentrando apenas seu segundo ano de contrato e, agora livre das garras de Hue Jackson e não-atrelado à fábrica de tristeza denominada Cleveland, ele pode continuar seu desenvolvimento tranquilamente, já que não haverá qualquer pressão sob o segundanista por conta da indiscutível titularidade de Aaron Rodgers. Lembremos: DeShone foi um dos principais prospectos do Draft de 2017. Ele pode simplesmente sentar e aprender sob a tutela de um dos melhores da história na posição.

“greenbay"

Para os Browns, que agora possuem um novo quarterback em Tyrod Taylor – adquirido em troca com o Buffalo Bills – o reforço na secundária é bastante apreciado: junto do próprio Green Bay Packers, Cleveland foi a única equipe da liga a ceder um passer superior a 100.0 ao longo da temporada. Damarious Randall possui apenas 25 anos, ainda se encontra no contrato de calouro e é o mais talentoso cornerback no elenco dos Browns. Mais um ponto importante: Eliot Wolf, o atual assistant GM da organização de Ohio, trabalhou por treze anos em Wisconsin, sendo inclusive um dos principais responsáveis pela escolha de Randall no Draft de 2015.

Kizer é talentoso. Randall também, mas o novo regime dos Packers não é tão fã do jogador quanto o antigo. A troca pode ser uma reação ao baixíssimo nível de Brett Hundley no ano passado, claro; no entanto, se a última temporada nos deixou uma lição, foi a de que bons reservas na posição de quarterback podem fazer toda a diferença entre um time que não vai aos playoffs (o próprio Green Bay Packers) e um time que conquista o Super Bowl (o Philadelphia Eagles).

Comentários? Feedback? Siga-me no twitter em @Henrique_Bulio – e ainda, nosso site em @profootballbr e curta-nos no Facebook.

Em abril, teremos um curso/workshop que tratará sobre tudo o que você precisa saber sobre o Draft da NFL. Veja mais detalhes aqui.

Posts Exclusivos de Nossos Sócios, assine para mais conteúdo!
Andrew Norwell nos Jaguars: segurança para Bortles e espaços para Fournette
Análise Tática: Como a adição de Dion Lewis é essencial na evolução de Mariota
Quarterback: Como está a situação dos 32 times da NFL após a Free Agency
Podcast Sócios: O que acontece no Seattle Seahawks?
História: As maiores estrelas do Combine que se transformaram em farsas na NFL
Jimmy Graham e os Packers: um casamento eficiente?