Uma senha sera enviada para seu e-mail

Como já é tradicional na segunda-feira após a Semana 17 da NFL, muitos times resolvem demitir seus treinadores após um ano ruim. Para o bem – Sean McVay, por exemplo – e para o mal – Vance Joseph – um novo treinador pode definir os rumos de uma franquia.

Não é para menos. Na maior parte das vezes, o head coach é o responsável por decisões cruciais em um time – como quem será o quarterback titular ou se a equipe deve desafiar ou não uma marcação de arbitragem. Sendo o capitão do navio, se este afunda o técnico costuma ir junto.

Sem mais delongas, vamos aos nomes.

Atualizado em 4º de janeiro, 12:10 AM

Já demitidos:

Ben McAdoo (Giants): Este rodou faz tempo. Com muita expectativa após uma ida à pós-temporada em 2016, os Giants naufragaram com força e Ben McAdoo foi o grande vilão da temporada 2017 ao colocar Eli Manning no banco quando… Bem, ele não era o principal problema.

Jim Caldwell (Lions): Um dos técnicos responsáveis pela maior quantidade de viradas no último quarto – com os Colts e com os Lions. Você pode ver isso pela ótica positiva, mas tem a negativa também: como tantas vezes os times comandados por Caldwell ficaram em situações de precisar virar o jogo no final? Seja como for, os Lions não conseguiram dar o “segundo salto” na NFC North ou mesmo quando foram aos playoffs. Com Matt Stafford sendo o jogador mais bem pago da NFL, a diretoria achou por bem dar um novo rumo para aproveitar o talento de Stafford ao máximo – e não só no ultimo quarto, digamos.



Chuck Pagano (Colts): Junto de Ben McAdoo e John Fox, formou o Triunvirato da Incompetência de treinadores da NFL. Pagano simplesmente não consegue fazer ajustes ou nada do gênero. Teve Andrew Luck por anos e tudo o que conseguiu foi apanhar na final da Conferência Americana. Sem Luck, o time ruiu de vez. Meu tweet acima ilustra bem a situação.

John Fox (Bears): 1:20 para o fim do primeiro tempo, bola no meio do campo, um monte de timeouts para pedir, jogo em casa contra os Browns. Em vez de dar uma oportunidade para Mitchell Trubisky se desenvolver, EM CASA contra um adversário fraco, John Fox correu como nunca e queimou cronômetro – ainda sobrando tempo para os Browns chutarem um field goal. Isso resume a Era Fox em Chicago: conservadorismo, covardia e todo o mais. A exemplo do que os Rams fizeram com Jared Goff, os Bears devem ir atrás de uma mente ofensiva para desenvolver Trubisky.

Jack Del Rio (Raiders): Depois de uma ida para os playoffs e uma temporada com mais de 10 vitórias no ano passado, um festival de incompetência ofensiva em 2017. Os Raiders renovaram com Derek Carr a peso de ouro e o camisa 4 regrediu nesta temporada. Del Rio, mente defensiva, teve nas mãos uma das piores defesas da liga e a diretoria achou por bem que o ataque – mal desenhado – tivesse novo rumo e comandante em 2018. A tendência é a chegada de Jon Gruden, técnico dos Raiders na virada do último século e atual comentarista do Monday Night Football. Se ele gosta de Derek Carr? Este tweet ilustra.



Já confirmados no cargo em 2018:

Os técnicos abaixo corriam risco, mas as respectivas diretorias já confirmaram sua presença para a temporada 2018. Sem dúvidas, todos começam com a batata assando e um mau desempenho pode significar demissão em janeiro de 2019

  • Todd Bowles (New York Jets)
  • Dirk Koetter (Tampa Bay Buccaneers)
  • Hue Jackson (Cleveland Browns)
  • Vance Joseph (Denver Broncos)
  • Marvin Lewis (Cincinnati Bengals)

OBS: Bruce Arians, vale lembrar, aposentou-se e não será mais o treinador do Arizona Cardinals.

Comentários? Feedback? Siga-me no twitter em @CurtiAntony ou no facebook – e ainda, nosso site em @profootballbr e curta-nos no Facebook.

“RODAPE"