Uma senha sera enviada para seu e-mail

Um bom termômetro para sentimos o público? Os cassinos de Las Vegas. Como os cassinos pagam menos em apostas “queridinhas” do público, dá para sabermos quem são os favoritos para cada partida, prêmio ou mesmo campeonato.

No caso da briga pelo MVP da temporada 2017 da NFL – sigla em inglês para Jogador Mais Valioso – há quatro nomes fortemente considerados: Carson Wentz, Tom Brady, Alex Smith (que vem mal nos últimos jogos) e Russell Wilson. O quarterback do Seattle Seahawks é o quarto nas apostas de Vegas. Será que isso é justo? Ora, se considerarmos o nome do prêmio – jogador MAIS VALIOSO – talvez não. Será que outro quarterback estaria fazendo o mesmo pelos Chiefs do que Alex Smith? Muy provavelmente. Será que outro qualquer estaria fazendo o mesmo, teria o mesmo valor do que Russell Wilson tem para o Seattle Seahawks? Definitivamente não.

“seattle"

Começando pelo óbvio

A linha ofensiva do Seattle Seahawks é um cocô em chamas. Bom, estou sendo até bacana com os jogadores ao ser fofo assim – é uma das cinco piores unidades da NFL, sem sombra de dúvidas. Não fosse assim, o time não trocaria escolhas de Draft por Duane Brown aos 45º do segundo tempo do prazo para trocas.

Um quarterback menos móvel não teria a mesma produção de Wilson. Não tenho a menor dúvida disso. Os olhos nus mostram essa afirmação como verdadeira. Amparados pelos números, fica claro que é um fato: Wilson tem seis touchdowns quando pressionado, em 2017 – nenhum outro quarterback tem mais. Em situações assim, são apenas duas interceptações. A título de comparação, Nathan Peterman teve cinco interceptações quando pressionado na partida de ontem.

Torce para o Seattle Seahawks? Confira aqui uma linha de produtos do time e da cidade de Seattle para você! Tem chaveiro, cards, colecionáveis, camisetas e muito mais 😀

Wilson não tem ajuda da linha ofensiva e tampouco do jogo terrestre

Quando um quarterback não é amparado pela linha ofensiva, a situação já costuma ser bastante grave. Quando o jogo corrido não engata a segunda marcha, aí é ainda pior. Explico: a defesa quer, mais do que tudo, que o ataque seja unidimensional – já que assim será mais fácil marcar seja lá o que o ataque venha como jogada.

No caso de Seattle, o ataque terrestre de 2017 não é nem sombra daqueles áureos tempos de Marshawn Lynch no auge. Wilson é o líder do time em jardas por carregada, com 5.7. Com os colegas running backs não ajudando e terceiras descidas mais longas no horizonte, Seattle armou o passe em 66% dos snaps ofensivos: quarta maior marca da NFL.

O time tem 21 touchdowns nesta temporada. 19 passados por Wilson, um corrido por ele e o único pelo qual ele não foi diretamente responsável aconteceu na Semana 4 contra os Colts, por J.D. McKissic. Esses 19 lançados, inclusive, já são a melhor marca de sua carreira nos 9 primeiros jogos de uma temporada. Muitos deles, aliás, estão vindo no último quarto.

O que mais você poder querer de um candidato a MVP?

Bom, que tal justamente esses touchdowns no último quarto, quando seu time precisa de você? 12 dos 19 touchdowns de Russell Wilson em 2017 vieram no último período. A melhor marca de uma temporada inteira é de Eli Manning em 2011, quando teve 15. Dos 19, 11 foram lançados quando os Seahawks estavam atrás no placar e o passe seria (ainda mais) óbvio.

Ante tudo isso, é mais do que claro que Wilson deve ser considerado para a briga de MVP. Não digo, necessariamente, que ele vai ganhar o prêmio – mas que merece, isso merece. Se for dado a ele, não seria nenhum absurdo – até porque, além de tudo o que escrevi, ele terá que carregar o time nas costas com as lesões que a defesa vem enfrentando.

Wilson pode não ser o quarterback de passe mais bonito da liga ou aquele cara que joga de maneira tradicional, de dentro do pocket. Mas é inegável: dentre os jogadores mais valiosos para um time em 2017, um deles veste a camisa 3 dos Seahawks.

Comentários? Feedback? Siga-me no twitter em @CurtiAntony ou no facebook – e ainda, nosso site em @profootballbr e curta-nos no Facebook.

“RODAPE"