Uma senha sera enviada para seu e-mail

Após começar o ano com atuações preocupantes, os Patriots se recuperaram e conseguiram a segunda vitória da temporada – a primeira contra adversários da AFC East – pelo impressionante placar de 38 a 7. Para os que esperavam que o time fosse sofrer o terceiro revés seguido e se complicar dentro da divisão, New England mostrou novamente a força de Bill Belichick, Tom Brady e companhia. Seria a primeira vez desde 2002 que o time perderia três vezes seguidas.

Isso mostrava a importância do jogo, principalmente porque do outro lado estava o invicto Miami Dolphins com a possibilidade de abrir uma vantagem grande de três partidas, além de mais um jogo contra os Patriots em casa. Porém, quem assistiu o jogo diria que a situação estava invertida: os Patriots dominaram os Dolphins em todos os aspectos do jogo e venceram com muita facilidade.

A tão criticada defesa dos Patriots não tomou conhecimento do ataque dos Dolphins e segurou o zero no placar até momentos finais da partida, quando o Frank Gore recebeu um passe para de Brock Osweiler, evitando uma humilhação maior. Osweiler entrou apenas na campanha final para proteger o titular Ryan Tannehill de sofrer uma lesão e piorar ainda mais o jogo desastroso.

Com a volta de Trey Flowers e Patrick Chung, os Patriots mostraram que possuem espaço para crescimento para o restante da temporada, e que a defesa não é tão fraca quanto o jogo contra os Lions deixou a entender. É bem verdade que, pelo lado ofensivo, os Dolphins pouco entregaram tanto no jogo corrido quanto no aéreo. Existiram oportunidades no jogo para Ryan Tannehill e companhia produzirem, mas o índice de aproveitamento foi pífio e Tannehill completou apenas 11 dos 20 passes tentados. Também chama a atenção a quantidade baixa de chamadas de passe, visto que os Dolphins ficaram atrás do placar o tempo todo, principalmente com tantas segundas e terceiras descidas longas, o que mostra que nem os treinadores fizeram um bom trabalho ou que no mínimo arriscaram na partida para tentar vencer o cotejo.

Pelo lado ofensivo dos Patriots, a projeção de melhora é evidente. Apesar de Tom Brady não ter feito uma grande partida, é esperado que cresça de produção ao longo da temporada como sempre acontece. O Brady de setembro é outro jogador quando comparado a dezembro e janeiro. Mas quem chamou a atenção na partida foi mesmo a dupla de composta por Sony Michel e James White: o primeiro teve a primeira partida da carreira com mais de 100 jardas de linha de e mostrou o motivo de ter sido uma escolha alta no Draft; já James White também teve a sua melhor partida da temporada e deixou esperanças para a torcida em fazer uma das melhores duplas de corredores da NFL nos próximos anos junto com Michel.

Os recebedores dos Patriots também tiveram uma boa partida, com os renegados Cordarrelle Patterson e Phillip Dorsett queimando o bom Xavien Howard, que vinha fazendo uma temporada irretocável até então. Josh Gordon teve uma partida discreta em relação as suas estatísticas, tendo apenas 2 recepções e 32 jardas, embora tenha jogado poucos – visto que ainda está voltando de lesão. A partir da semana 5, os Patriots voltam a contar com Julian Edelman voltando de suspensão e o time de recebedores de New England volta a ser uma ameaça para toda a NFL. O tempo já ensinou mais de uma vez: nunca conte que New England esteja fora da corrida pelo Lombardi Trophy em Setembro.

Comentários? Feedback? Estou em @lipevieira. Siga nosso site em @profootballbr e curta-nos no Facebook.