Uma senha sera enviada para seu e-mail

Já há algum tempo digo que é questão de tempo para que o kickoff seja eliminado do futebol americano. Quantos você acha que são retornados para touchdown numa temporada? São poucos, vai por mim.  No ano passado, um aqui e um ali – Dion Lewis, Pharoh Cooper, só para citar dois exemplos.

Ao mesmo tempo, não há nenhuma jogada na qual, proporcionalmente, ocorram tantas lesões quanto o retorno de kickoff. Ante esse fato, as ligas vêm aos poucos mitigando o efeito explosivo da jogada para que, então, ela suma do mapa. Primeiro, o kickoff começou a ser dado da linha de 35. Depois, seu final será declarado, dado que essa primeira etapa gera menos retornos explosivos e, com efeito, argumentos em contrário.

Dividir para conquistar, digamos

E agora vem outro golpe de misericórdia na jogada. A NCAA anunciou hoje que o time que recebe o kickoff no College Football terá a opção de pedir fair catch dentro da linha de 25 jardas e isso gerará um touchback com a bola saindo da linha de 25. Na prática, salvo raras exceções, isso praticamente elimina o retorno – o custo de oportunidade não compensa.

A NCAA foi bem clara quanto aos motivos da mudança. Jogadores se machucam em retornos e menos retornos causarão menos lesões. “O Comitê de Regras fez a proposta para continuar os esforços de aumentar o número de touchbacks durante kickoffs, já que menos lesões acontecem em kickoffs que não são retornados”, disse a entidade.

Como dito acima, o primeiro passo foi reduzir o número de retornos. Agora, há ainda mais estímulo para o time retornador ficar de boa. Depois que os fãs estiverem acostumados com menos retornos, não sentirão falta deles. Dividir para conquistar.

A regra, lembrando, só é válida no College Football. Mas é questão de tempo até que ela seja aplicada na NFL também – meu palpite segue o mesmo: você dificilmente verá retornos acontecendo se estiver lendo este texto em 2025. A propósito, se estiver, carros já voam?

Comentários? Feedback? Siga-me no twitter em @CurtiAntony ou no facebook – e ainda, nosso site em @profootballbr e curta-nos no Facebook.