Uma senha sera enviada para seu e-mail

Após a aposentadoria de Peyton Manning, a expectativa era que aquele alto e formoso quarterback herdasse o trono no Colorado. Brock Osweiler chegou a ser titular na temporada 2015, vencer o New England Patriots num emocionante Sunday Night Football… Mas optou por não continuar no Sports Authority Field.

Não que Denver não quisesse – mas a situação nos Broncos era um tanto quanto delicada na relação de Osweiler com o front office. Na ocasião, cheguei a dizer que ele não optou por assinar com o Houston Texans só por dinheiro – foi por orgulho também. Não esqueça que ele foi para o banco e Peyton voltou no meio da temporada.

Ué, mas ele não ia ganhar mais dinheiro em Houston? Em tese. Veja, o contrato de Denver daria 15 milhões por ano (3 anos, 45 milhões) a Osweiler – e depois muito provavelmente, aos 28 anos, ele teria um outro contrato ainda mais lucrativo (ou mesmo uma franchise tag). O contrato de Houston foi de 4 anos (72 milhões).

Acontece que o mundo dá voltas e, bem, o carma é uma m… (para não dizer outra coisa). Osweiler foi para Houston como potencial líder que colocaria os Texans em posição de chegar ao Super Bowl. O time de fato foi longe – chegou na pós-temporada. Lá, Brock dinamitou tudo com interceptações e todo o mais. Foi o melhor jogo defensivo contra Tom Brady e Osweiler nem de perto ajudou sua defesa (que foi a que menos cedeu jardas ano passado, lembremos).

Poste da Paixão – leia mais sobre a novela
Brock Osweiler escolheu os Texans por orgulho, não só por dinheiro
Brock Osweiler é… Ruim – os melhores e piores nos prêmios da Semana 15
As aventuras de Brock Osweiler numa temporada de erros
A troca por Brock Osweiler foi a coisa mais sensacional da história da Free Agency
Brock Osweiler não jogará na Semana 3, Browns ainda tentam trocá-lo

Nossa novela mexicana continua com os Texans ainda sonhando em tirar Tony Romo da aposentadoria. Para tanto, teriam que abrir espaço no teto salarial – ou seja, mandar Osweiler para algum lugar. Obviamente, nenhum time aceitaria os 16 milhões de dólares herdados… Se não houvesse alguma compensação para tanto. É aí que o Cleveland Browns e sua diretoria Powered By Moneyball entram em cena. Para que os Browns herdassem o contrato de Osweiler – o dinheiro garantido, no caso – os Texans mandam junto de Brock uma saborosa escolha de segunda rodada. Cleveland herda o contrato e manda uma escolha de quarta rodada. Romo de fato aposentou – mas, pelo menos. Houston se livrou do problema (mesmo que a um custo alto).

A ideia dos Browns era fazer como os Texans: mandar Brock Osweiler para marte. Em março, até tentaram trocar o quarterback – não houve interessados no negócio. Então, Cleveland tentou ver se o potencial estava ali (ao mesmo tempo que a Operação Vitrine de Poste começaria).


Para variar, a situação na posição de quarterback estava longe de ser definida no Cleveland Browns. São quase 30 quarterbacks titulares desde 1999, quando a franquia voltou para a NFL depois da “original” se tornar Baltimore Ravens em 1996.

Três eram os competidores: Brock Osweiler, Cody Kessler (o titular de 2016) e DeShone Kizer, calouro escolhido na segunda rodada. Ainda tentando conseguir uma troca ou algo do gênero, Hue Jackson colocou Osweiler como titular nas duas primeiras partidas da pré-temporada. Em ambas, Brock não fez nada. Kizer impressionou.

Com essa operação-vitrine não dando certo e Osweiler claramente mostrando que não tinha condição nenhuma de ser titular, os Browns cortaram-no ontem. É aí que esta novela toma seus contornos atuais.

Os Broncos pagam 800 mil. A titulo de comparação, é 5% do que foi oferecido por John Elway após a temporada 2015

O Denver Broncos, segundo Mary Kay Cabot1 – principal insider dos Browns – reportou que Osweiler assinaria com John Elway e voltaria para o Colorado. Chega para ser titular? Não, nem teria como. Trevor Siemian não fez feio na pré-temporada e, embora seja limitado, não jogou mal como Osweiler.

A expectativa (só falta assinar) é que ele ganhe 800 mil dólares em Denver2. Assim, a conta fica 16 milhões – 0,8 milhão pago por Cleveland (ou seja, 15,2 milhões) e os Broncos pagam 800 mil. A titulo de comparação, é 5% do que foi oferecido por John Elway após a temporada 2015. O mundo definitivamente dá voltas.

Com um protagonista como Osweiler, esta novela está longe de terminar. A comissão técnica (e, portanto, o playbook) de Denver não é o mesmo de 2015, quando Gary Kubiak e seu sistema mandavam no Sports Authority. Assim, Brock terá de fazer ajustes, mesmo como reserva.

Se Siemian se machucar ou jogar mal… Mais capítulos nos aguardam.

Comentários? Feedback? Siga-me no twitter em @CurtiAntony ou no facebook – e ainda, nosso site em @profootballbr e curta-nos no Facebook.

“RODAPE"

  1. https://twitter.com/MaryKayCabot/status/904084882430853124
  2. https://twitter.com/CurtiAntony/status/904094549420716032