Uma senha sera enviada para seu e-mail

O Cleveland Browns deu várias chances para Josh Gordon voltar a ser um jogador importante para a equipe, mas o time cansou de esperar e decidiu que não haveria mais possibilidade do recebedor continuar no time. No último fim de semana, eles anunciaram que Gordon seria dispensado, mas o New England Patriots foi rápido o suficiente para não deixar que o wide fosse para o mercado de agentes livres.

Até agora, ainda não se sabe o que Gordon fez para que os Browns tomassem essa decisão. De toda forma, antes de dispensa por qualquer “vacilo” que seja, Cleveland sondou o mercado e encontro um parceiro para troca. Josh irá para o New England Patriots, numa tentativa “Randy Moss 2: A Missão” por parte de Bill Belichick. Como qualquer sequência no cinema, o segundo filme fazer sucesso é bem mais difícil que o primeiro. Moss nunca teve problemas com o antidoping, por exemplo.

Com a troca, o time de New England enviou uma pick de quinta rodada do próximo draft. A escolha, no entanto, tem uma cláusula de devolução para os Patriots caso Gordon fique inativo por pelo menos dez jogos em 2018.

Gordon esteve presente na primeira rodada desta temporada, quando diante do Pittsburgh Steelers recebeu um passe para . Com a chegada do novo recebedor, Corey Coleman, contratado pelos Patriots na semana passada, foi dispensado para abrir espaço no elenco. Como ironia, vale lembrar que Coleman começou a temporada nos Browns.

Com Julian Edelman perto de retornar de suspensão e Phillip Dorsett em boa fase, de repente o setor de wide receivers dos Patriots volta a ser uma área de qualidade na equipe. Agora é aguardar se Gordon conseguirá se encaixar no esquema da equipe. Talento e físico para isso ele tem de sobra. Falta colocar a cabeça no lugar.




🔒 Exclusivo de nossos assinantes:

🔒 PRÉVIAS 2018 – O que será do Kansas City Chiefs com Patrick Mahomes?
🔒 PRÉVIAS 2018 – O Buffalo Bills vai se tornar um time constante nos?
🔒 PRÉVIAS 2018 – O que Matt Patricia trará de novo ao Detroit Lions?
🔒 PRÉVIAS 2018 – Quais as esperanças do Seattle Seahawks num ano de reconstrução?