Uma senha sera enviada para seu e-mail

Rodada 2, escolha 49: Dallas Goedert, TE, South Dakota State

Rodada 4, escolha 125: Avonte Maddox, CB, Pittsburgh

Rodada 4, escolha 130: Josh Sweat, EDGE, Florida State

Rodada 6, escolha 206: Matt Pryor, OT, TCU

Rodada 7, escolha 250: Jordan Mailata, OT, Australia

Para o Philadelphia Eagles, sabia-se que a tendência de trocar escolhas de rodadas intermediárias traria a conta em algum momento. Com efeito, a organização adentrou o Draft de 2018 sem suas escolhas originais de segunda (enviada para o Cleveland Browns na troca que resultou em Carson Wentz), terceira (trocada com o Buffalo Bills por Ronald Darby) e quinta rodadas – esta última, agora pertencente ao Seattle Seahawks pelo acordo que resultou na chegada de Michael Bennett aos Eagles.

Qual a estratégia da organização, então? Na condição de atuais campeões e com o elenco mais recheado em toda a NFL, Philadelphia poderia se contentar quase sempre com o melhor jogador disponível. Claro, algumas posições poderiam se utilizar de reforços – tight end, cornerback, linebacker são os três maiores exemplos -, o que não necessariamente significa que o time precisava urgentemente de investir num jogador destas posições. Afinal de contas, o Draft se baseia em reforçar seu elenco da melhor forma possível. Se combinar esse reforço com a supressão de uma necessidade, melhor ainda.

Com efeito – e possuindo a última escolha da primeira rodada na condição de campeões do Super Bowl, não foi surpreendente ver o Philadelphia Eagles trocando a escolha #32 com o Baltimore Ravens por, em efeito, duas escolhas de segunda rodada – uma delas em 2019. Numa classe em que o valor dentre as escolhas 25-75 não é tão distante e sabendo que a próxima temporada será ainda mais complicada em termos de espaço na folha salarial, o acordo não impediu os Eagles de pegarem um bom jogador e aumentou as possibilidades de manobras salariais para o ano que vem.

A primeira escolha realizada pela franquia foi o tight end Dallas Goedert (#49), depois de subir levemente na ordem de escolhas da segunda rodada numa troca com o Indianapolis Colts. Quando pareado com Zach Ertz em formações com dois tight ends, o ataque aéreo de Philadelphia será praticamente impossível de ser parado: é muito difícil para uma unidade defensiva limitar adversários que conseguem atacar verticalmente nesta formação. Em termos atléticos, Goedert representará vantagem a grande maioria dos linebackers que tentarem-no marcar; além disso, não se pode desvalorizar sua qualidade na red zone, além de sua baixa porcentagem de passes dropados.

Já no último dia de escolhas, os Eagles selecionaram Avonte Maddox na quarta rodada, cornerback de Pittsburgh que deve assumir a posição de nickel corner desde o primeiro dia – com a saída de Patrick Robinson, acreditava-se que Jalen Mills pudesse assumir tal posição. Jim Schwartz claramente discorda dessa opinião.

Ainda na quarta rodada, Philadelphia jogou os dados numa aposta que, se acertada, estará na briga pelos melhores roubos do Draft. A organização selecionou Josh Sweat, EDGE de Florida State que possui em seu atleticismo sua maior qualidade – Sweat disparou nas boards alheias depois de um ótimo Combine. O fator que gerou a queda do jogador foi seu extenso histórico de lesões, principalmente as mais graves no joelho. Se o defensive end conseguir se manter saudável enquanto na NFL, uma escolha de quarta rodada terá sido muito pouco pelo que veremos em termos de produção em campo.

O time supriu suas necessidades? De certa forma, sim. Como dito acima, os Eagles possuíam apenas necessidades secundárias e as duas principais destas foram sanadas com a seleção de um segundo tight end e um nickel corner. O time ainda poderia se utilizar de evolução na posição de weakside linebacker, o que provavelmente não seria feito nesse Draft de qualquer forma – Mychal Kendricks ainda é jogador do time e Philadelphia poderia mantê-lo por mais um ano, mesmo com este com futuro longe da Pennsylvania

Qual a escolha de melhor valor? Se livre de lesões, a seleção de Josh Sweat é a que mais renderá frutos – e isso é ainda mais impressionante vindo de um jogador escolhido no último dia. Se considerarmos apenas talento, ele é o melhor dentre os cinco selecionados: Sweat foi titular na tradicionalíssima Florida State já em seu primeiro ano!

Qual a escolha de pior valor? São poucas as opções, então fico com Avonte Maddox. Os Eagles investiram uma escolha de quarta rodada num jogador que ficará limitado ao slot e que, embora tenha testado atleticamente de forma ímpar para a função que será utilizado, não está pronto para assumir a função de forma qualitativa, diferente de vários outros jogadores que ainda estavam disponíveis.

NOTA FINAL DA CLASSE: Bom.

Comentários? Feedback? Siga-me no twitter em @Henrique_Bulio – e ainda, nosso site em @profootballbr e curta-nos no Facebook.